Palmas, Tocantins -

Oportunidades


Nieman Foundation
229 visualizações

Harvard oferece bolsas de pesquisa para a área de jornalismo

Oportunidade contempla jornalistas, designers, programadores, empreendedores e acadêmicos
- Atualizada em
Reprodução

Jornalistas, designers, programadores, empreendedores e acadêmicos podem se inscrever na bolsa de pesquisa ofertada pela Universidade Harvard (EUA) por meio da Fundação Nieman de Jornalismo. As inscrições acontecem até 27 de setembro. A ideia é selecionar projetos direcionados para a promoção da qualidade do fazer jornalístico e, para isso, haverá oferta de bolsa de US$ 1.350 (R$ 5.081), além da acomodação. 

 

Contemplados passarão até 12 semanas em Harvard, com acesso aos centros de pesquisa, bibliotecas e outros. É preciso ter inglês avançado e disponibilidade para residir em Boston durante a realização da pesquisa, mas não é exigido curso superior ou experiência de mercado. 

 

Os candidatos devem preencher o formulário no site da Fundação Nieman e informar dados biográficos, três referências profissionais, currículo, além de um ensaio de 600 palavras sobre o projeto que será executado. A instituição não delimitou um número específico de vagas, informando apenas que cinco bolsistas serão selecionados. Desde o início do projeto, em 2012, a Fundação Nieman recebeu 42 bolsistas.

 

Dicas importantes

 

Ao escrever o projeto é ideal que os candidatos pensem nas seguintes perguntas:

 

- Quais os recursos locais ou de Harvard serão importantes para a realização do projeto?

- Para avançar no projeto, como você usará o período de treinamento na universidade?

- Qual será o resultado do seu projeto após ser executado?

- Como o trabalho desenvolvido irá contribuir para o futuro do jornalismo?

 

A Fundação Nieman orienta ainda que os estudantes, se selecionados, iniciem os projetos já com pró-análises prontas – identificando e contatando as fontes da pesquisa, além do agendamento de possíveis consultas e entrevistas –, aproveitando ao máximo o tempo de execução da pesquisa.

 

Agência Educa Mais Brasil