Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia


Operação Liar
757 visualizações

PF investiga em Palmas suspeito de estelionato e falsificação de documentos

A investigação iniciou em agosto de 2020, oportunidade em que foram apresentados documentos falsos à Marinha do Brasil, durante fiscalização administrativa no lago de Palmas e rio Tocantins
- Atualizada em
Divulgação/Polícia Federal no Tocantins

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 19, a “Operação Liar” para apurar a prática dos crimes de falsificação de documento público, falsidade ideológica e uso de documento falso.

 

Os policiais cumprem um mandado de prisão preventiva e um mandado de busca e apreensão, expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado do Tocantins, na cidade de Palmas.

 

A investigação iniciou em agosto de 2020, oportunidade em que foram apresentados documentos falsos à Marinha do Brasil, durante fiscalização administrativa no lago de Palmas e rio Tocantins.

 

Com o andamento da investigação, a polícia apurou que o suspeito era um conhecido estelionatário no Estado, com diversas passagens pelos órgãos policiais locais, inclusive foi alvo da Operação “Abre-te Sésamo”, deflagrada pela Polícia Federal em maio deste ano.

 

O investigado usava diversas identidades falsas, com a finalidade de praticar fraudes e se passar por outras pessoas, podendo responder, pelos crimes previstos nos art. 297, 299 e 304, todos do Código Penal, com penas que somadas podem ultrapassar 11 anos de reclusão.

 

A ação foi deflagrada pela Superintendência Regional da Polícia Federal no Tocantins e enaltece a proteção à fé pública. O nome da operação se refere as características apresentadas pelo investigado durante a apuração dos fatos, cuja personalidade se mostrou voltada à enganação, fraude e engodo, uma alusão a palavra mentiroso, que em inglês significa “LIAR”.

 

Pandemia

 

Em razão da Pandemia causada pela COVID-19, a Polícia Federal informou que foi adotada logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPI’s a todos os envolvidos, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas e investigados.