Palmas, Tocantins -

Cidades


Saúde
1.171 visualizações

Secretaria Municipal da Saúde recomenda cuidados de prevenção à cólera

De acordo com a DVS, o Ministério da Saúde enviou recomendações após registros da doença na América Central e Caribe, e devido ao fluxo de pessoas vindas desses locais
- Atualizada em

A Secretaria Municipal da Saúde (Semus), através da Diretoria de Vigilância em Saúde (DVS), alerta as Unidades de Saúde e a população em relação à vigilância contra a Cólera. O alerta ocorre em razão da doença ter sido registrada em países da América Central e Caribe.

 

De acordo com a DVS, o Ministério da Saúde enviou recomendações após registros da doença na América Central e Caribe, e devido ao fluxo de pessoas vindas desses locais. O objetivo é reduzir os riscos de introdução da doença através de investigações clínicas, epidemiológicas e laboratoriais de todos os casos suspeitos.

 

Para a DVS, Palmas é um município vulnerável à ocorrência da doença devido ao turismo e o grande fluxo de pessoas viajantes de outros países, inclusive da região hiperendêmica. “Existe a possibilidade de turistas com sinais e sintomas compatíveis com cólera chegarem à cidade; ou sem sintomas, mas desenvolver o quadro clínico posteriormente. Alertamos aos profissionais e à população para que estejam atentos diante de quadros clínicos diarreicos”, explica a gerente de Vigilância Epidemiológica da Semus, Marta Malheiros.

 

Cólera

A Cólera é uma doença infecciosa intestinal aguda, causada pela enterotoxina do Vibrio cholerae. Pode se apresentar de forma grave, com diarreia aquosa e profusa, com ou sem vômitos, dor abdominal e câimbras. Esse quadro, quando não tratado prontamente, pode evoluir para desidratação, choque hipovolêmico e insuficiência renal. Entretanto, frequentemente, a infecção é assintomática ou oligossintomática, com diarreia leve. O principal reservatório é o homem.

 

Cuidados

Lavar as mãos antes do preparo e consumo de alimentos e após urinar ou defecar;

Consumir preferencialmente água mineral ou de origem conhecida. Em caso de dúvida sobre a qualidade da água, a mesma deve ser tratada com hipoclorito de sódio 2,5% (duas gotas de hipoclorito para cada litro de água) ou fervida. Utilizar essa mesma recomendação para a água utilizada na higiene oral;

Não ingerir alimentos de origem desconhecida ou de locais com condições sanitárias insatisfatórias;

Evitar consumir comidas vendidas por ambulantes;

Evitar o consumo de alimentos crus (saladas) e/ou mal cozidos/assados em áreas afetadas, especialmente frutos do mar;

Comer apenas alimentos bem cozidos e ainda quentes, evitando aqueles deixados à temperatura ambiente por mais de 2 horas. Em caso de ocorrência de diarreia ou vômitos até 15 dias após o retorno ao Brasil, procure atendimento médico e informe detalhadamente o seu roteiro de viagem.

 

Todo caso suspeito de cólera é de notificação compulsória imediata. As notificações de forma imediata visam à prevenção de novos casos e até mesmo de um surto.