Palmas, Tocantins -

Cidades


Juiz mantém prisão
2.523 visualizações

Aos prantos, Duda lamenta perder convívio com a família e diz sofrer "pior injustiça"

Juiz da comarca de Porto Nacional mantém prisão de empresário Eduardo Pereira. Ao T1 Notícias, Duda desabafa, nega ser mandante do crime e entre lágrimas lamenta ser privado do convívio com a família
- Atualizada em
Descrição: Duda foi levado nessa tarde para CPP de Porto Divulgação

O empresário Eduardo Pereira, o Duda, réu primário, saiu da audiência de custódia em Porto Nacional, com a prisão mantida pelo juiz Márcio Barcelos Costa, da 1ª Vara Criminal do Fórum de Porto Nacional.  “Sofrer uma injustiça dessa natureza é uma das piores coisas que tem pra gente enfrentar. O senso de indignação toma conta da gente. Você pensa que isso tudo é um filme, um pesadelo que tá passando na sua vida . Não dá para acreditar que isso está acontecendo”, disse ele com exclusividade em entrevista concedida ao T1 Notícias.

 

Questionado sobre o motivo de ter se mantido foragido durante tanto tempo, Eduardo Pereira afirmou que nunca foi da sua vontade se manter foragido nos últimos meses, mas que assim o fez, atendendo o clamor da família, que teme por sua vida dentro da prisão. “Nós temos recebido ameaças não é de hoje, é lá detrás. Tanto é que eu registrei um boletim de ocorrência em março, bem antes desse pedido”, afirmou o empresário

 

“Fiquei afastado, usando os meios jurídicos, para manter a minha integridade física. Me entreguei por que não me sinto confortável em ficar nessa situação, até por que fica parecendo que a gente tem alguma culpa nesse negócio, e não é verdade. Eu não mandei matar ninguém”, disse ele durante entrevista. Duda Pereira disse esperar agora ter a garantia da integridade física e a oportunidade de falar. “É a primeira vez que eu falo na verdade. Por que nem o primeiro depoimento que eu fiz para a polícia lá atrás eles não juntaram no processo. Foram juntar depois, porque a gente pediu”, explicou.

 

Bastante emocionado, Duda Pereira disse ao T1 Notícias que seu maior pesar no tempo em que permaneceu foragido foi ficar longe da filha, de dois anos e oito meses, fruto de seu casamento com Sandra Letícia Domingos, com quem tem 17 anos de relacionamento. “O pior de tudo é ficar longe da minha filha. De tudo isso neste tempo todo é o que mais me machucou”, disse, em lágrimas, o empresário. 

 

“Os negócios eu conseguia fazer uma coisa ou outra por telefone (…) tentando manter os negócios em dia. Eu conseguia falar com minha esposa às vezes através de pessoas que eu tinha acesso, mas o pior mesmo foi ficar longe da minha família. É isso que eu queria que a Justiça entendesse: que a minha família precisa de mim”, declarou.

 

Defesa reafirma risco ao judiciário

Falando também com o T1 Notícias, o advogado Paulo Roberto, afirma ter informado ao judiciário o risco que seu cliente corre. “Nós comunicamos ao juiz, primeiro e segundo grau deste risco de morte que ele corre. É uma coisa que estamos anunciando há algum tempo. Primeiro que ele tem curso superior e tem direito a cela especial”, reafirmou o advogado. 

 

“O juiz expediu alguns ofícios e pediu para saber se lá tem cela especial e o próprio diretor disse que tem mas que não comporta mais presos, tá com 660 detentos e que o próprio juiz de Palmas determinou que não aceitasse mais nenhum preso a partir de agosto”, alerta paulo Roberto.

 

Segundo advogado o receio maior se dá por que “o sistema prisional está contaminado. Nesse processo aí já tem uma vítima fatal. que está sendo apurado os fatos. Já existem ameaças. Você às vezes tem que se preocupar com a segurança do seu cliente que vai ser enclausurado sem a perspectiva de segurança de vida”.

 

Duda diz que espera que justiça restabeleça “verdade dos fatos”

 

“Eu espero, ainda acredito que justiça possa me dar a possibilidade de manter as minhas empresas, manter a minha família, me manter próximo da minha família”, disse Duda Pereira ao T1 Noticias. “E espero provar a verdade”, sustentou.

 

O empresário também comentou sobre a convicção da família de Vencim Leobas, a vítima. “Eu nunca tive nenhum atrito com Seu Vencim e nenhum integrante da família dele. Eu tive uma vez na minha vida conversando com Seu Vencim, no mínimo, há cinco, seis anos atrás. Eu não consigo entender o motivo dessa perseguição. Não consigo imaginar. Não acho também que eles tenham essa certeza, por que se não estariam tentando encontrar justificativa. Esse processo do cartel agora é uma tentativa de dar um motivo para o crime. Eles me acusaram por que existiria um cartel em Palmas e que eu era chefe do cartel e eu que mandei matar. Mas não tinha processo de cartel. Inventaram esse processo para justificar a morte”, acredita o acusado.

 

Segundo a defesa de Duda, o acusação de Cartel baseia-se em pesquisa de preço e depoimentos de testemunhas arroladas no processo criminal da morte do agropecuarista e empresário, Vencim Leobas. “Nós vamos provar que isso não procede”, afirma o advogado Paulo Roberto. Das 5 testemunhas 3 são parentes e um é compadre do falecido”, conta ele. Toda a quebra de sigilos do empresário Duda Pereira, e o monitoramento telefônico feito não encontraram qualquer prova de manipulação de preços, articulada por ele.

 

“Como assim cartel formado por dois empresários num mercado de 60 donos de postos?”questiona Duda Pereira. “Isso não existe, é um absurdo isso pra mim”.