Palmas, Tocantins -

Blog da Tum

Roberta Tum

Roberta Tum

roberta.tum.9 @robertatum

Colunista do Editorial Blog da Tum


Educação
545 visualizações

A volta às aulas sem vacina: um Ode à insensatez

- Atualizada em
Descrição: Imagem ilustrativa André Sobral

O Tocantins está novamente vivendo uma tendência de aumento nas notificações de suspeita de Covid-19. É o que mostram os números e esse movimento de novas contaminações é uma tendência já detectada nacionalmente.

 

A previsão dos especialistas é que o mês de junho traga uma terceira onda de contaminação.

 

É neste cenário que a pressão feita pelos proprietários de escolas privadas surtiu efeito sobre governo e prefeituras, forçando a reabertura das escolas particulares “com todos os protocolos de segurança”.

 

E eu pergunto: que segurança se pode oferecer sem vacina?

 

Como obrigar professores a retornarem a aulas presenciais sem vacinar? É um Ode à insensatez.

 

“Ah, mas vacinamos quem tem comorbidade”. Não é suficiente. Não é correto.

 

Em entrevista ontem ao T1 Notícias, a prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro, argumentou que não justificaria liberar as aulas na rede particular e não liberar na escola pública. Os protocolos adotados garantiriam - hipoteticamente - uma segurança aos profissionais.

 

A verdade é que nem a vacina garante que o educador vá contrair a doença. Mas ela é a única segurança que a gente tem de que – se contrair -  o vírus chegará com menos força, evitando o agravamento de casos e a morte.

 

Na lentidão em que a vacinação segue no Brasil e no Tocantins – Palmas tem vacinado mais rápido, mas não tem vacinas suficientes para uma vacinação mais eficiente – e com a resistência de uma parte significativa da população em usar máscara e fazer o distanciamento social, não tem como dar certo.

 

Esse cenário: vacinação lenta e baixo distanciamento social é a fórmula para vivermos uma nova fase de lotação de leitos.

 

Qual a dificuldade em esperar mais 30 dias e vacinar os professores, merendeiras, auxiliares administrativos e todo o corpo escolar?

 

O argumento de que outras categorias não pararam de trabalhar e seguem sem vacina, não convence.

 

As crianças, como se sabe, são vetor de transmissão do vírus. Com seu metabolismo mais acelerado, eliminam com mais facilidade o Sars-Cov e desenvolvem os sintomas da doença em número menor. O que não evita os casos de agravamento e morte de crianças e adolescentes. É uma roleta russa genética, ainda não completamente decifrada.

 

Mesmo que não desenvolva, a criança carrega o vírus para a casa, onde contamina a família, que ainda não vacinou.

 

A eficácia das vacinas também varia e o tempo de imunização é baixo. Em São Paulo por exemplo, os profissionais de saúde já precisam vacinar novamente, pois os testes mostram que não estão mais imunizados.

 

Por tudo isso, entendo que governo e município cometem um erro grave nessa retomada de aulas presenciais. Ainda que com 50% de ocupação. Ainda que com todos os “protocolos de segurança”.

 

Meus filhos, por enquanto, seguem em casa. Até que a vacina chegue para todos nós. O prejuízo é grande? É. Já vai mais de um ano fora da escola. Mas acredito que esse é um tipo de prejuízo que se recupera.

 

Já a vida, não.

Outras Notícias