Palmas, Tocantins -

Blog da Tum

Roberta Tum

Roberta Tum

roberta.tum.9 @robertatum

Colunista do Editorial Blog da Tum


Análise
1.490 visualizações

Miranda se prepara para reassumir MDB: um partido refém de uma imagem...

Miranda se prepara para reassumir o MDB na semana que vem. O comando do ex-governador, processado e condenado em processos como o ressarcimento dos custos da eleição suplementar desgasta a sigla
- Atualizada em
Cláudio Gonçalves/Folhapress

O ex-governador Marcelo Miranda, que viveu dias de sofrimento e solidão ano passado, numa cela especial do QCG – diga-se além da razoabilidade – prepara-se para voltar à cena política na próxima segunda-feira, 7. 

 

Já corre nos bastidores que a data está marcada para que o deputado Nilton Franco entregue a legenda ao comando de Miranda. Na primeira semana do mês de setembro, quando todos os municípios do Estado estarão agendando suas convenções.

 

É a segunda vez que Marcelo tenta retomar o MDB. A primeira tentativa, na época notificada ao deputado Nilton, via mensagem telefônica, foi abortada pela Nacional do partido. A explicação: não era momento. Desta vez, ao que parece é para valer. 

 

Mas, será que já é momento?

 

O MDB parece aquele disco furado no mesmo lugar. Um partido refém de uma imagem. A imagem no entanto, está desbotada. Afinal Marcelo foi duplamente caçado, já sofreu condenação após a cassação mais recente e tem seus impedimentos.

 

Por que então não deixar que o partido siga representado por alguma liderança nova, que possa regatar o que o partido tem de melhor na sua história?

 

Nos bastidores também a conversa é que o deputado Nilton Franco não agrada a todos na sua gestão. E que uma ala desejaria o retorno do ex-governador.

 

A insistência de Miranda em liderar esse processo eleitoral municipal no Estado no entanto, pode custar caro. E Por que? Justamente por que reacende toda animosidade que existe contra ele. Fruto dos processos judiciais que responde, e que por certo ainda se arrastarão por muito tempo. É algo que qualquer amigo velho, independente de ser consultor ou não em política recomendaria não fazer.

 

O que Miranda poderia fazer de melhor? Ir cuidar da defesa nos seus processos e deixar o MDB caminhar sem a sua sombra neste processo eleitoral.

 

Mas o que ele faz neste momento? Sai da sombra, do bastidor e volta aos holofotes. De quebra, ainda suscita dúvidas sobre se pode ou não gerir fundo partidário.

 

A insistência de políticos com problemas judiciais em subirem novamente a ribalta da política partidária, seja comandando legenda ou disputando eleições é algo que gera desgaste interno e nas ruas.

 

Como diz o matuto, “não espera nem esfriar”, o tempo passar e o mundo dar uma volta para buscar novamente a evidência no cenário político.

 

Nos bastidores também ouço as justificativas: “o povo quer”, “os companheiros estão pedindo”. Será mesmo? Na maioria das vezes é o político se ilude com essa conversa, quando a vontade é mesmo pessoal.

 

No caso dos Miranda, quem segue na vida política, sem mácula e com condição de representar a família no espaço de poder, é a deputada federal, Dona Dulce.

 

Esta, que sempre teve luz própria, desde os tempos do primeiro governo, achou um caminho e se cuidar bem das suas bases, terá reeleição garantida.

 

O problema de Dulce por hora, é o avanço do deputado estadual Jair Farias, com quem tem boa relação, mas que é pré-candidato declarado à Câmara Federal. E deve dividir seus diretórios no Bico do Papagaio, onde a deputada derrama emendas. Inclusive em município comandado por sobrinho do deputado, e que na hora do seca-bagaço, deve ficar com ele.

 

Quando os maridos saem da política por força de decisões judiciais e suas esposas seguem tocando o barco de formar mais leve que eles, há que se pensar se há razão para voltar à cena.

 

Elas se reinventam, se readaptam e garantem a presença do seu grupo de origem no cenário de poder. O mais a história conta e reconta. 

Notícias sobre:

mdb marcelo miranda

Outras Notícias