Palmas, Tocantins -

Blog da Tum

Roberta Tum

Roberta Tum

roberta.tum.9 @robertatum

Colunista do Editorial Blog da Tum


Análise
3.444 visualizações

Os quatro palanques da próxima eleição no Tocantins

O cenário tocantinense para as eleições de 2022 foi alterado com as recentes reviravoltas oriundas do afastamento do governador Mauro Carlesse pelo STF e a ascensão de Wanderlei Barbosa
- Atualizada em
Montagem/T1Notícias

As recentes reviravoltas na política tocantinense, com o afastamento do governador Mauro Carlesse pelo STJ e a ascensão de Wanderlei Barbosa ao poder, alteraram o cenário para o próximo ano no Tocantins.

 

Se ainda há muita coisa incerta - como o retorno ou não de Carlesse à cena política, com condições de governar - nesse rompimento aparente de maioria dos deputados estaduais, e seu aglutinamento em torno do governador em exercício, algumas variantes não mudam.

 

Sem prejuízo de outras revelações e a quem elas possam comprometer, o cenário nacional traça a necessidade de três candidaturas ao governo. O palanque do atual presidente da República, que vai à reeleição, é prioritariamente do senador Eduardo Gomes. Organizar a reeleição de Bolsonaro é prioridade para Gomes, algo que ele já deixou claro.

 

Outro palanque que não faltará é o do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que naturalmente é do PT de Paulo Mourão. Se vão haver composições nos partidos mais a esquerda em torno de Lula é uma incógnita.

 

O terceiro palanque, que já se mostrou competitivo, a partir do lançamento do nome, é o do ex-juiz Sérgio Moro. Palanque do Podemos, que deve garantir as condições de Ronaldo Dimas disputar o governo. Ele que é o mais adiantado na pré-campanha ao governo até aqui.

 

O quarto palanque, que pode ser o de Wanderlei Barbosa, Kátia Abreu - caso não se confirme a indicação ao TCU e ela dispute novamente o Senado - e outras lideranças de partidos de centro que não têm a obrigação de acompanhar nenhum presidenciável. E assim deixar o eleitor à vontade para votar em quem quiser.

 

Por enquanto, quem menos tem pressa por definições é quem já tem a garantia de legenda e a liberdade de transitar em várias frentes.

 

No mais, o grupo que Wanderlei Barbosa está criando, trabalha com expectativa de poder futuro e unindo os insatisfeitos que haviam se afastado da cena política por não conseguir espaço com Carlesse, ou por não ter afinidade com ele. E daí pode nascer um palanque forte.

Outras Notícias