Palmas, Tocantins -
Educa Mais Brasil

Folha em branco para ideias: saiba a importância do rascunho na prova do Enem

Após a polêmica da retirada das folhas de rascunho do Enem, o Inep declarou no Twitter que o rascunho da redação, como já de costume, terá linhas e ficará ao final do Caderno de Questões.
- Atualizada em
Divulgação

“Não há motivos para preocupações. O rascunho da redação, como já de costume, terá linhas. Ele ficará ao final do Caderno de Questões entregue no primeiro dia de prova”, declarou o
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) através do seu Twitter após a polêmica da retirada das folhas de rascunho do Exame Nacional do Ensino
Médio
(Enem 2019). Alegando necessidade de redução de gastos com impressão e folha de papel, o órgão anunciou a mudança na diagramação das folhas e a retirada das folhas, mas
voltou atrás.

 

Nas redes sociais, diversos comentários contra a decisão do órgão foram feitos, alegando a necessidade e importância da folha de rascunho para o desenvolvimento do raciocínio dos
estudantes, principalmente no momento da redação. “A folha de rascunho possibilita ao candidato fazer esquemas e organizar suas ideias antes de colocá-la em definitivo”, defende a
professora de língua portuguesa, Rebeca Alcântara.

 

Fazer o rascunho da redação faz toda diferença, pois quando escrevemos um texto pela primeira vez, podemos errar, modificar palavras e enquadrar o conteúdo com o tema proposto
na avaliação. Ter um texto elaborado e mais limpo possibilita ao candidato a alcançar a nota máxima da prova.

 

O estudante Anderson Almeida defende a permanência da folha de rascunho. “Este espaço é essencial, até mesmo para sabermos se estamos atingindo uma quantidade de linhas
considerável, se o desenvolvimento ou introdução ficarão longos”, argumenta.

 

Apesar das mudanças, a folha de rascunho da redação permanece pautada e estará localizada no próprio caderno de questões, porém com espaço reduzido. Por conta disso, é preciso se
preparar cada vez mais. “O foco deve se voltar para a preparação de nossos estudantes para escrever bem. Prepará-los para saber articular de forma escrita, com coesão e utilização da
norma culta, além de apresentar propostas de intervenção. A sociedade precisa de pessoas cada vez mais informadas e bem formadas. O resto são detalhes”, afirma a professora.