Palmas, Tocantins -
Governo federal
2.004 visualizações

Novo ministro interino do Planejamento é tocantinense nascido em Araguaína

Secretário-executivo do Planejamento desde a semana passada, Dyogo Henrique Oliveira substitui Jucá, que volta ao Senado após a divulgação de áudio
- Atualizada em
Dyogo Henrique Oliveira substitui Jucá Foto: Agência Brasil

O substituto de Romero Jucá à frente do Ministério do Planejamento, Dyogo Henrique Oliveira, anunciado na última segunda, 23, é natural de Araguaína, no Norte do Tocantins, filho de agricultor, e saiu de casa, no interior do Estado, aos 15 anos, para estudar na capital federal, onde construiu carreira como servidor público. O novo ministro interino também já foi alvo de quebra de sigilos bancário e fiscal pelos investigadores da Operação Zelotes, que apura esquema de venda de medidas provisórias em favor de indústrias automobilísticas e fraudes no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).

 

Secretário-executivo do Planejamento desde a semana passada, Dyogo Henrique Oliveira substitui Jucá, que volta ao Senado após a divulgação de áudio em que defende a troca de governo e um “pacto” para “estancar a sangria” da Operação Lava Jato. Dyogo era secretário-executivo do Ministério da Fazenda desde o final do ano passado. O novo ministro interino foi citado em inquérito da Zelotes, mas não chegou a ser indiciado. Ele foi apontado como um dos possíveis contatos dos réus da operação no governo para negociar textos de medidas provisórias.

 

O secretário-executivo foi ouvido pela Justiça Federal como testemunha. Na ocasião, admitiu ter recebido o lobista Mauro Marcondes, um dos réus da Zelotes, para discutir o teor de MPs e não teve qualquer interferência na tramitação das propostas. Em nota divulgada à imprensa, a assessoria dele informou que Dyogo colaborou com as autoridades policiais por ter ocupado, à época dos fatos, os cargos de secretário-adjunto de Política Econômica (2008 a 2010) e secretário-executivo adjunto do Ministério da Fazenda, entre 2011 e 2013. “Além disso, deve-se ressaltar que o secretário é servidor concursado e qualificado para o cargo que ocupa e que teve seu desenvolvimento profissional calcado exclusivamente na sua competência e capacidade técnica”, informou a assessoria.

 

As medidas provisórias suspeitas (MPs 471 e 512) ampliaram o prazo de incentivos fiscais dados às montadoras de veículos instaladas no Norte, no Nordeste e no Centro-Oeste.

 

(Com informações de Congresso em Foco)