Recorrendo para derrubar mandado de segurança

Crédito: Chico Sisto/Câmara de Palmas

A presidente bateu o pé em não dar posse ao Somos e avisou a Alexandre Peara que entre com outro mandado pois só atenderá ordem judicial. A briga, que parece já ter tomado conotação pessoal, é uma interpretação sui generis do Regimento da Casa. O agravo que a presidente determinou que fosse protocolado para derrubar os 140 dias de licença do vereador do PSB será julgado pelo desembargador João Rigo, o mesmo que julgará o mandado impetrado pelo Somos para ter direito à posse.

Comentários (0)