Palmas, Tocantins -
Detidos na ocupação da 905 sul
1.653 visualizações

Ação da PM gera reações e críticas por excesso de força

O parlamentar informou ainda que levará o caso à Comissão de Direitos Humanas da Câmara. A PM alega que os manifestantes manifestaram resistência a ordem de desocupação e desacato.
- Atualizada em
Reprodução/ Guilherme Lima

A detenção de seis pessoas durante a ocupação da quadra 905 sul por famílias sem teto, ocorrida na manhã deste domingo, 15, foi repudiada por movimentos sociais, partidos e pelo deputado federal Célio Moura (PT). Na nota assinada pelo parlamentar ele afirma que a Polícia Militar agiu com truculência e abuso de autoridade. O deputado diz ainda que denunciará o caso a Comissão de Direitos Humanos da Câmara em Brasília. 

 

Ao T1 Notícias, a PM disse que as detenções foram necessárias porque os manifestantes agiram com desacato e apresentaram resistência à ordem de desocupação da área. Já para o deputado o ato configura criminalização dos Movimentos Sociais. "Não aceitaremos a violência e criminalização dos Movimentos de Sociais, a covardia e misoginia. Lutar por Direitos é um dever de cada cidadão" diz um trecho da nota. 

 

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) no Tocantins também se manifestou sobre o caso por meio de suas redes e qualificou a ação como "ato de uso desmedido da força". A publicação informa ainda que o partido disponibilizará o corpo técnico jurídico para ajudar na busca pela justiça. 

 

Entre os detentos estavam: Eutália Barbosa, militante da Marcha Mundial das Mulheres; Guilherme Barbosa, diretor da União Nacional dos Estudantes; o advogado Lucas Naves e Bismarque Miranda. ambos integrantes do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM). Todos os detidos foram liberados ainda na noite do domingo. Em um vídeo (final da matéria) Eutália Barbosa agradece as manifestações e solidariedade recebidas. 

 

União Nacional dos Estudantes

 

Quem também emitiu nota de repúdio contra as detenções foi a União Nacional dos Estudantes. Um dos seis detidos faz parte da diretoria do movimento e é estudante do curso de direto da Universidade Federal do Tocantins. 

 

Na nota, a UNE diz que as detenções foram injustas e arbitrárias e "mostra mais uma vez o autoritarismo presente nas estruturas da PM brasileira. Pela soltura imediata de Guilherme e todos os presos políticos. Não permitiremos que o Estado siga perseguindo aqueles e aquelas que lutam pelo nosso povo!" diz o anúncio. 

 

Entenda

 

Cerca de 300 famílias do movimento sem teto ocuparam lotes na quadra 905 sul em Palmas no início da manhã deste domingo, 15. Eles chegaram ao local por volta das 5h da manhã e começaram a demarcar os lotes.

 

Por volta do meio-dia a polícia militar foi até ao local para a retirada dos ocupantes e durante a abordagem houve um tumulto e seis pessoas que davam apoio ao movimento acabaram sendo detidas. De acordo com o advogado do movimento, Cristian Ribas definiu a intervenção como exagerada, já a PM alega resistência e desacato por parte dos manifestantes.

 

Eutália agradece a solidariedade as detidos durante ocupação, confira: https://youtu.be/sKtD2PEOUDc