Palmas, Tocantins -
Caso Nova Olinda
1.097 visualizações

Casal é indiciado por estupro; mãe ameaçava filha para não relatar abusos do pai

Segundo o delegado Luís Gonzaga da Silva Neto, a adolescente era forçada a manter relações sexuais com o pai mediante ameaça com uma arma de fogo.
- Atualizada em
Reprodução

A Polícia Civil do Estado do Tocantins concluiu, nesta terça-feira, 16, as investigações referentes à prática de crime de estupro de vulnerável, em que o pai foi preso em flagrante por abusar sexualmente da filha de 13 anos. Conforme o inquérito, além do pai, a mãe da vítima foi indiciada por ser conivente com o delito e ameaçar os filhos caso eles contassem os abusos sofridos pela adolescente.

 

O caso

 

Segundo o apurado, na noite do dia 4 de junho, por volta das 23h, a vítima pediu socorro para um amigo através de uma rede social, no qual afirmou que estava sendo abusada sexualmente pelo próprio pai. O amigo, então, acionou a Polícia Militar de Nova Olinda que, ao chegar ao local, deparou-se com o autor usando um short rasgado e com o órgão genital a mostra, sendo preso em flagrante.

 

Após representação da autoridade policial, L.A.S. (44 anos) teve sua prisão em flagrante convertida em preventiva, restando recolhido na Casa de Prisão Provisória de Araguaína (CPPA).

 

Segundo o delegado Luís Gonzaga da Silva Neto, titular da Delegacia de Nova Olinda, constatou-se, em uma das situações de abuso, que o pai forçou a adolescente a manter relações sexuais com ele por duas vezes na mesma noite, mediante ameaça com uma arma de fogo. 

 

Os crimes, em tese, ocorriam desde o ano de 2015, com o conhecimento da mãe da vítima e esposa do agressor. S.R.V.S. (37 anos), ao saber dos abusos pelo relato da filha, pediu que ela  “tivesse paciência”, pois resolveria a situação no futuro, e ainda ameaçava bater nos filhos caso contassem o fato a terceiros.

 

Indiciamento

 

L.A.S. foi então indiciado pela Polícia Civil pelos crimes de estupro de vulnerável majorado, posse e porte ilegal de arma de fogo, cuja pena total pode chegar ao patamar de 30 (trinta) anos de prisão. A mãe da vítima, S.R.V.S., fora indiciada pelo crime de estupro de vulnerável majorado, por ter sido conivente com os abusos, pois detém o dever legal de cuidado da vítima. A pena para o crime pode chegar a 21 (vinte e um) anos de prisão. O caso agora fora encaminhado ao Poder Judiciário para as medidas cabíveis.