Palmas, Tocantins -

Cidades


No Tocantins
1.079 visualizações

Com geração de 200 empregos diretos, usina de energia solar será implatada

O funcionamento da usina está previsto para 2013, após o leilão da energia fotovoltaica que será gerada pela usina.
- Atualizada em

Através de uma articulação das SIC - Secretarias de Indústria e Comércio e Semades - do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável, será possível a vinda da primeira usina de energia solar do Tocantins. O Naturatins – Instituto Natureza do Tocantins já concedeu a LI - Licença de Instalação à empresa espanhola Sky Solar. Com isso, já será possível o início das obras no município de Porto Nacional. Quando estiver com sua capacidade total, a usina poderá produzir até 48MW de energia solar, o suficiente para abastecer cerca de 40 mil casas, ou seja, quase uma cidade do tamanho de Paraíso do Tocantins.

 

Segundo o secretário do Meio Ambiente, Divaldo Rezende, o projeto permite um desenvolvimento energético limpo, pois evita as emissões poluidoras de 39.340 toneladas de carbono por ano na atmosfera. “Nós podemos colocar um painel solar em casa e usar essa energia. Se sobrar energia podemos colocar na rede e vender para a Celtins. São alternativas interessantes porque é possível fazer um investimento em longo prazo para o cidadão reduzir a conta de energia de forma significativa”, afirma o secretário que também ressaltou o fato de que o Tocantins possui 100% de energia renovável. 

 

O empreendimento deve gerar pelo menos 200 empregos diretos. As condições climáticas do Tocantins, com disponibilidade de recurso solar quase o ano todo, favoreceu a escolha da empresa em investir no Estado.

 

Para o secretário de Indústria e Comércio, Paulo Massuia, as relações com empresas espanholas ainda deve gerar mais resultados positivos ao Estado. “As empresas já abriram cinco S.A Sociedades Anônimas e pretendem investir, não só na geração de energia, mas também na montagem de painéis. Isso dá mais vantagens ao empresário que deseja investir no Tocantins”, comenta. (Gabriela Glória / Secom)