Palmas, Tocantins -
Na Câmara Municipal
2.162 visualizações

Em sessão na Câmara vereador diz ser contra 'infâmias praticadas por homossexuais'

Marilon Barbosa, presidente da Câmara, disse ainda que enquanto for presidente não se debaterá 'ideologia de gênero' na Casa.
- Atualizada em
Reprodução

O presidente da Câmara Municipal de Palmas, Marilon Barbosa (PSB), disse durante a sessão desta quarta-feira, 29, que é contra as infâmias praticadas por homossexuais e que enquanto ele for presidente da Câmara, não se discutirá 'ideologia de gênero'. "Eu não sou contra o homossexual, mas eu sou contra os princípios, eu sou contra a essa infâmia, como diz em Romanos (livro da Biblía), as infâmias praticadas, que fala sobre o homossexual". 

 

O debate começou depois que o vereador Felipe Martins (PSC) usou a tribuna para falar sobre pansexualidade. O vereador disse ter visto notícias na televisão em que pessoas se casaram, ou consigo mesmas, ou com objetos não humanos. Felipe Martins atribuiu esse comportamento a pessoas pansexuais e se disse preocupado que isso ocorra na Capital. 

 

Marilon Barbosa, que presidia a sessão, parabenizou o vereador pela sua preocupação com a família e reiterou o pensamento de Martins dizendo que, não consegue entender os grandes políticos que tem coragem de votar a favor da "ideologia de gênero". O presidente da Câmara disse também que "isso tem libertação". 

 

Bancada da Família

 

Em abril os vereadores Gerson Alves (PL) e Felipe Martins (PSB) apresentaram requerimento para a criação da bancada em defesa da família. Segundo os parlamentares o objetivo é defender as famílias e os princípios. Gerson representando a comunidade católica e Felipe representando a comunidade evangélica da Capital.

 

Cura Gay

 

Também em abril a Ministra Supremo Tribunal Federal ( STF ), Carmem Lúcia, concedeu uma liminar cassando a decisão que permitia a prática de "reversão sexual", também conhecida como " cura gay ". Com isso, volta a valer o entendimento do Conselho Federal de Psicologia (CFP), que proíbe psicólogos a oferecerem serviços que proponham o tratamento da homossexualidade.