Palmas, Tocantins -

Cidades


Greve
2.726 visualizações

Motoristas fazem greve e transporte coletivo em Palmas tem frota reduzida

Com a greve, os trabalhadores reivindicam a formalização da convenção coletiva de trabalho 2020/2022, que compõem o reajuste salarial, benefícios, melhorias nas condições de trabalho
- Atualizada em
Descrição: Paralisação iniciou nesta segunda-feira, 27 Divulgação

Após reunião extraordinária para discutir sobre a proposta patronal do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros do SIT-Palmas (Seturb), apresentada em audiência de conciliação junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT), o Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transportes Rodoviários e Operadores de Máquinas do Estado do Tocantins (Simtromet) decidiu manter a paralisação (greve) em Palmas, que teve início nesta segunda-feira, 27.

 

De acordo com o Simtromet, foi deliberada a manutenção de 50% do serviço de transporte urbano, por se tratar de serviço essencial.

 

Com a paralisação, os trabalhadores reivindicam a formalização da convenção coletiva de trabalho 2020/2022, que compõem o reajuste salarial, benefícios, melhorias nas condições de trabalho e redução da intrajornada. Além do cumprimento da data base, pois duas estão vencidas, sendo a de maio de 2020 e maio de 2021.

 

Subsídio 

 

Na audiência de mediação entre o Seturb e o Simtromet, a Prefeitura de Palmas disse que estabeleceu prazo máximo de 15 dias para concluir o processo administrativo e fazer o repasse do subsídio tarifário que vai garantir o reajuste salarial do setor em 10,22%, a partir de junho.

 

O subsídio tarifário foi anunciado pela prefeita Cinthia Ribeiro para estabelecer o equilíbrio contratual na concessão do transporte público urbano coletivo de Palmas, visto que a prefeitura não autorizou o reajuste da tarifa de ônibus em 2020 e 2021, em razão da pandemia do novo coronavírus. 

 

Segundo a prefeitura, embora resolvida a questão salarial, durante a audiência, a defesa do Simtromet condicionou a suspensão do indicativo de greve à redução da intrajornada, das atuais 5h40 para, no máximo, 2h. Sem acordo com o Seturb, o Simtromet levou para assembleia da categoria a proposta do MPT, de suspender a greve por 15 dias, até o repasse do subsídio da prefeitura ao Seturb, e posterior retomada das negociações com as empresas quanto à intrajornada.

 

A proposta foi negada pela categoria, que manteve a paralisação para segunda-feira, 27, com a garantia da manutenção de 50% do serviço de transporte coletivo.


“O contencioso trabalhista entre as concessionárias e os funcionários foge à competência da prefeitura, que mesmo assim busca manter o diálogo com ambas as partes para evitar prejuízos à população com a paralisação parcial do serviço”, encerrou a prefeitura.

 

Nota do Simtromet sobre a paralisação: 

 

Bom dia, conforme deliberado pela categoria em reunião extraordinária, na data de ontem, dia 24.09.2021, a paralisação (greve) continua prevista para o dia 27.09.2021 na primeira hora.

 

Aproveito a oportunidade para informar que foi deliberado a manutenção de 50% do serviço de transporte urbano por se tratar de serviço essencial, bem como, nos colocamos a disposição para organizar junto a SETURB escala de trabalho.

 

Atenciosamente,

SIMTROMET

 

Nota do Simtromet sobre o que reivindicam: 

 

Prezados,

 

Conforme solicitado, segue abaixo e em anexo informações:-

 

TRABALHADORES DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO
REIVINDICAM A FORMALIZAÇÃO DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2020/2022, QUE COMPÕEM O 

REAJUSTE SALARIAL, BENEFÍCIOS, MELHORIAS NAS CONDIÇÕES DE TRABALHO E REDUÇÃO DA INTRAJORNADA.

 

CUMPRIMENTO DA DATA BASE

DUAS DATAS BASES VENCIDAS - MAIO DE 2020 E MAIO DE 2021.

 

Agradecemos o contato e atenção.