Núcleos de Segurança do Paciente reforçam qualidade do atendimento em UTIs de Palmas

Desde 2014 até março do ano passado foram implantados mais de 2.300 Núcleos de Segurança do Paciente no país

Membros de UTI debatem sobre segurança do paciente
Descrição: Membros de UTI debatem sobre segurança do paciente

As Unidades de Terapia Intensiva Adulto da Intensicare em Palmas no IOP e no Hospital Oswaldo Cruz já contam com a implantação de Núcleos de Segurança do Paciente, que fazem parte do Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), instituído pelo Ministério da Saúde. Os Núcleos têm como objetivo promover ações voltadas a reforçar ainda mais a segurança dos pacientes internados nos leitos de UTI.

 

Dados nacionais apontam que a ocorrência de erros que causam danos aos pacientes é de 7,6% no Brasil, no atendimento hospitalar em geral, sendo que cerca de 70% desses incidentes poderiam ter sido evitados. “Para evitar que essas situações ocorram, as UTIs contam mais esse cuidado extra, com grupos de profissionais de saúde que se reúnem diariamente para analisar e melhorar essa condição. Esse Núcleo de Segurança do Paciente apura possíveis falhas na maneira como as atividades são realizadas e a partir disso um conjunto de ações será desenvolvido com as equipes do Hospital ou da UTI, no caso, para implementar medidas de melhoria”, explica o gerente de UTI da Intensicare no IOP, Thiago Antônio Figueiredo.

 

A segurança do paciente é um dos seis atributos da qualidade do cuidado, e tem adquirido, em todo o mundo, grande importância para os pacientes, famílias, gestores e profissionais de saúde com a finalidade de oferecer uma assistência cada vez mais segura.

 

“Para termos uma assistência de excelência dentro da UTI a segurança do paciente está em primeiro lugar. Aqui na nossa Unidade implantamos o Núcleo de Segurança do Paciente, que é composto por vários membros que atuam dentro da UTI, cada um representando uma área”, afirma a coordenadora de Enfermagem da Intensicare nas UTIs Adulto e Neonatal do IOP, Vitória Pereira da Costa, que é um dos membros do Núcleo na unidade.

 

Conforme o Ministério da Saúde, o Programa Nacional de Segurança do Paciente objetiva contribuir com a qualificação do cuidado em saúde em todos os estabelecimentos de saúde do território nacional. “Durante a vivência do profissional na área médica em geral os ‘quase’ erros podem chegar a acontecer, que é o que chamamos de evento adverso, o que deve ser diariamente evitado e notificado, para que o Núcleo de Segurança do Paciente possa investigar todo o processo e buscar soluções para que qualquer problema possa ser evitado”, informa Vitória.

 

Entenda

 

A RDC/Anvisa nº 36/2013 é uma norma que institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde e dá outras providências. Esta normativa regulamenta aspectos da segurança do paciente como a implantação dos Núcleos de Segurança do Paciente, a obrigatoriedade da notificação dos eventos adversos e a elaboração do Plano de Segurança do Paciente. Os protocolos básicos de segurança do paciente são instrumentos para implantação das ações em segurança do paciente.

 

Uma das formas de promover e apoiar a implantação de iniciativas voltadas à segurança do paciente é a implantação de Núcleos nos estabelecimentos de saúde, que devem promover a prevenção, controle e mitigação de incidentes, além da integração dos setores, promover a articulação dos processos de trabalho e das informações que impactam nos riscos ao paciente. Desde 2014 até março do ano passado foram implantados mais de 2.300 Núcleos de Segurança do Paciente no país.

Comentários (0)