Palmas, Tocantins -
Flagrante
1.002 visualizações

Paciente encontra cobra em corredor do Hospital Regional de Araguaína e grava vídeo

As imagens mostram um paciente, com o braço quebrado, segurando a cobra. O homem afirma que esta é a segunda vez que ele encontra um animal da mesma espécie nos corredores da unidade neste mês
- Atualizada em
Internado na ortopedia, paciente encontra cobra em corredor Divulgação

Uma cobra foi encontrada nos corredores do Hospital Regional de Araguaína por um paciente da ortopedia, no último dia 2, mas o vídeo gravado por um familiar ganhou as redes sociais na região Norte do Estado e repercutiu na tarde de ontem, 9.

 

As imagens mostram um paciente, com o braço quebrado, segurando a cobra. O homem afirma que esta é a segunda vez que ele encontra um animal da mesma espécie nos corredores da unidade neste mês.

 

Conforme contam os autores do vídeo, a cobra não é venenosa, mas é o bastante para assustar os pacientes e visitantes. "Olha gente, dentro do hospital. Duas cobras que eu mato dentro de um mês. Qualquer hora dessa elas vão matar a gente", diz o paciente.

 

O caso lembra o episódio da infestação de ratos no mesmo hospital, em setembro de 2018, divulgado em rede nacional, e também foi um flagrante filmado por acompanhantes de pacientes do Hospital Regional.

 

O T1 solicitou um posicionamento da Secretaria Estadual de Saúde que informou que "devido à baixa qualidade das imagens, não foi possível identificar especificamente o animal. No entanto, aparentemente trata-se de uma cobra não venenosa de jardim, bastante comum em áreas urbanas e que pode ter adentrado neste estabelecimento devido ao período chuvoso que as desalojam de seus abrigos".

 

A Secretaria ainda levantou a hipótese de animais na região devido o fechamento das fossas sépticas que ocorreu após a ligação da rede de esgoto sanitário, o que pode ter mudado habitat do animal que vive em locais úmidos.  

 

"Normalmente, estes animais se alimentam de minhocas, vermes, larvas e pequenos artrópodes, possuem hábitos subterrâneos, vivendo sempre em ambientes úmidos. Não oferecem riscos a saúde humana e são animais importantes para a manutenção biológica do ambiente natural", conclui.