Palmas, Tocantins -

Cidades


Pesar
296 visualizações

Pioneiro da Igreja Católica em Araguaína, Dom Remígio Corrazza morre aos 100 anos

O corpo está sendo velado no Santuário Sagrado Coração de Jesus, em Araguaína, desde às 11h30, sendo que no mesmo local será celebrada a missa de corpo presente, às 16h.
- Atualizada em
Divulgação

Faleceu na madrugada desta sexta-feira, 21, em Araguaína, o padre Dom Remígio Corrazza, aos 100 anos de idade. Ele era pioneiro da Igreja Católica no município e estava internado no Hospital Dom Orione, há cerca de uma semana, onde deu entrada com quadro de infecções urinária e pulmonar.

 

O corpo está sendo velado no Santuário Sagrado Coração de Jesus, em Araguaína, desde às 11h30, sendo que no mesmo local será celebrada a missa de corpo presente, às 16h. Após a missa, será realizado o sepultamento no Cemitério São Lázaro.

 

O Hospital Dom Orione emitiu a seguinte nota de pesar: "Lamentamos a perda desse grande missionário e pioneiro da obra Orionita em Araguaína. Aos familiares externamos nossas condolências neste momento de luto".

 

 

Biografia

 

Padre Remígio nasceu na cidade de Arsego, na Itália, em 5 de maio de 1919. Como seminarista morou na mesma casa que Dom Orione, em Tortona, também na Itália.

 

Na década de 50, se mudou para o Tocantins e logo viu a oferta de Educação e Saúde como missão. Em Araguaína ele fundou o Colégio Santa Cruz, uma das escolas mais tradicionais da cidade, onde atuou como primeiro diretor, de 1964 a 1966. Também esteve na direção da escola de 1970 a 1974.

 

Como escritor publicou dois livros: “Silêncio Prudente”, que conta a história de uma vocação; e “Primórdios de Araguaína”, que retrata o olhar dos padres orionitas quando chegaram ao Estado.

 

Ele foi um dos primeiros padres orionitas enviados em missão da Itália ao antigo norte de Goiás.

 

Ordenado sacerdote na Congregação dos Filhos da Divina Providência em 1952, partiu para o Brasil como missionário no ano seguinte, em 1953, em uma missão no Tocantins, onde trabalhou inicialmente na Filadélfia. Ele retornou à Itália em 1958 e permaneceu lá por alguns anos, até 1963.