Palmas, Tocantins -

Cidades


Em Palmas
1.715 visualizações

Três quadras da região Sul aguardam asfalto: Governo diz que faltam recursos

Obras de pavimentação e drenagem nas quadras 307, 309 e 407 Sul iniciaram há mais de um ano e foram paralisadas. Estado não tem dinheiro para continuar obras e nem previsão.
- Atualizada em
Descrição: Moradores criaram página em rede social Reprodução/ Facebook

Moradores das quadras 307, 309 e 407 Sul, em Palmas, continuam cobrando do Governo do Estado agilidade nas obras de asfalto e infraestrutura que começaram há mais de um ano e estão paradas.

 

Os moradores se organizaram e até criaram uma página em uma rede social para se atualizarem sobre o andamento das reivindicações ao Governo. Eles pedem que o Governo cumpra as promessas de que as obras, que foram iniciadas há mais de um ano, seriam retomadas.

 

Procurada pelo T1 Notícias para esclarecer quando as obras serão retomadas, a Secretaria Estadual de Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano (Seinf), por meio do Departamento de Estradas e Rodagem do Estado do Tocantins (Dertins), informou que o Governo do Estado deveria entrar com uma contrapartida de 19% do valor da obra, mas o Estado não possui esses recursos para dar continuidade às obras. O Estado não deu previsão de quando as obras serão retomadas.

 

 NOTA - Obras Quadras 307, 309, e 407 Sul

O Departamento de Estradas e Rodagem do Estado do Tocantins (Dertins) informa que o contrato firmado por meio de convenio entre o Governo do Estado e a Caixa Econômica Federal para as obras nas quadras 307, 309, e 407 Sul, deu início em 16/06/2014 e foi paralisado em 01/12/2014 com o início do período chuvoso.

Vale ressaltar que os recursos da obra são oriundos de convenio do Estado com o Governo Federal por meio do PAC via Caixa Econômica.

O governo esclarece ainda que para dar continuidade às obras é preciso que o Estado garanta uma contrapartida, recurso este, que pela situação atual NÃO encontra-se disponível.

A Seinf acrescentou que “especificamente desse contrato [a contrapartida] seria de 19% do valor da obra. Só poderá ser especificado prazo após a viabilidade do recurso para a contrapartida”.