Palmas, Tocantins -
Luciano Coelho

Luciano Coelho

350@teste.com

Artigo
1.355 visualizações

A intolerância fundamentalista engessando as atribuições da escola!

O pedagogo emite sua opinião sobre "pseudo fundamentalistas" que atacaram o programa do Município "E Agora?", sobre drogas, sexologia e tecnologia.
- Atualizada em
Polêmica começou após palestra do projeto "E Agora?" no Bertaville Irene Alves

O fundamentalismo geralmente está associado a ideias sectárias, inflexíveis, sobre determinado tema, sobretudo com relação à religião e agridem sem conhecimento de causa. Quando o assunto é a escola, atualmente os pais acabam sendo vitimas destas pessoas por falta de conhecimento e tempo, incorrendo a erros e acusações maldosas que acabam atrapalhando o trabalho desenvolvido pela equipe pedagógica para o bem mais preciso, o seu filho.

 

Esta semana recebi áudios e conversas que foram viralizadas por um pequeno grupo de “pseudos fundamentalistas” que atacaram de forma sórdida o programa “E Agora?” da Superintendência da Juventude de Palmas, o motivo: uma palestra ministrada por profissionais do Município, que abordam de forma preventiva e educativa, temas debatidos atualmente pela sociedade. O uso de drogas lícitas e ilícitas, seus riscos, os males da dependência química, do álcool, do tabagismo. Abordam também de forma educativa, o sexo. Os riscos das DSTs – Doenças Sexualmente Transmissíveis, ciclo menstrual, mudanças que ocorrem no corpo na adolescência, os malefícios do sexo prematuro, dentre eles a gravidez precoce.

 

E daí? Faz se necessário perguntar aos “pseudos fundamentalistas”: qual o problema da escola através de profissionais qualificados da área abordar temas tão relevantes com os alunos? Aliás, temas que deveriam ser dialogado primeiramente em casa entre pais e filhos. Acontece que na prática este diálogo não existe na maioria das famílias. Os motivos alegados segundo alguns pais são: a falta de tempo, a falta de preparo e conhecimento para fazer a abordagem com o filho (a) ou respostas como: “na minha época minha mãe não me ensinou, eu também não vou ensinar aos meus filhos” e o ciclo da desinformação da aprendizagem, de forma incorreta, e da falta da educação sexual adequada continuam no seio familiar. Estas perguntas fazem parte de um estudo informal que faço há mais de 13 anos nas escolas que trabalhei e trabalho na função de Orientador Educacional, profissional que faz o elo entre a escola, o aluno e a família nas resoluções de conflitos, problemas externos que acabam sendo brotados dentro da escola.

 

É comum o professor flagrar o aluno (a) na faixa etária entre 8 anos a 14 anos, desenhando os órgãos genitais e ao ser atendido pela Orientação Educacional na escola, a resposta comum que são dadas pelos alunos (as) são: curiosidade, desejo, eu vi cenas assim em casa, abuso sexual, meu colega pediu para desenhar e etc. Como não abordar o tema sexualidade na escola? São ações como esta que há 10 anos vem diminuindo índices de gravidez na adolescência nas escolas no período diurno.

 

Hoje as escolas estão sofrendo um problema crônico que age silenciosamente, “a automutilação!” O que estamos fazendo enquanto equipe pedagógica é um esforço conjunto em parceria com outras secretarias dentre elas a Saúde e Juventude e seus profissionais para tentar compreender este fenômeno. Uma linha tênue que separa o automutilador do suicida. Geralmente a automutilação está relacionada às percas (amizade, namoro, gostar de alguém e não ser reconhecido, inferioridade etc.), está relacionado também a abusos sexuais, maus tratos em casa (por madrastas, padrastos, parentes de segundo grau, vizinhos, colegas da escola). Sabe onde isso estoura? Na escola! É por isso que programas como o “E Agora?” da Superintendência da Juventude é tão relevante.

 

O que os “pseudos fundamentalistas” querem? Escolas cheias de adolescentes grávidas? De adolescentes drogados? Eles querem o caos? Eles conhecem verdadeiramente o chão da escola? O que sofre um professor, uma equipe pedagógica para educar seus alunos (filhos)? Não, não conhecem... Os pseudos fundamentalistas só sabem ladrar pelos “becos” das redes sociais como “doutores da moralidade”, mas esquecem eles, que doutores não ladram! Doutores argumentam, fundamentam com base em dados científicos e antes de manifestar, procuram conhecer a verdade do outro, para depois expor sua própria verdade.

 

A escola não tem dono! Escola tem parceiros, tem colaboradores! Mas uma minoria tem insistido em querer ser o dono da escola, fazendo imposições de falsas verdades. O caso da ETI – Anísio Teixeira é uma prova disso. A gestora com dificuldades em gerir a escola com um pequeno grupo que faz oposição ao seu trabalho e tentam minar, dar proporções irreais a qualquer fato que desagrade o grupo. Sabe como isso pode ser denominado? “Assédio moral!”

 

É fato que está ficando cada vez mais comum nas escolas o “assédio moral” e o poder público em todas as suas esferas precisam reagir logo antes que seja tarde demais e que esses “pseudos fundamentalistas” não destruam a maior instituição já criada pelo homem para propagar o conhecimento cientifico, prático e que estreitam as relações humanas, e que dá sentido à vida de alguém, a escola!

 

Professor Luciano Coelho de Oliveira – Pedagogo – Especialista em Família/adolescentes, Gestão Escolar – Orientador Educacional, Escola Municipal Beatriz Rodrigues.