Palmas, Tocantins -

Em Debate

João Bazzoli

João Bazzoli

jornalismo@t1noticias.com.br


Cidades
937 visualizações

Marielle Franco: cidades partidas, violência, apartheid e os guetos dos guetos

A presença de Marielles nos espaços de poder nos fará certamente mexer naquilo que os projetos políticos até o momento não puderam ou não quiseram enfrentar.
- Atualizada em
Da Web

No dia 14 de março de 2020, data que marca dois anos da morte de Marielle Franco, relembro que em setembro de 2019 estive na comissão executiva do X Congresso Brasileiro de Direito Urbanístico que aconteceu na Universidade Federal do Tocantins, em Palmas. Este evento abriu os trabalhos com o painel Processo de desdemocratização brasileiro e os impactos ao Direito à Cidade com a presença da arquiteta e urbanista Mônica Benício (viúva de Marielle).

 

Na sua apresentação, Mônica retratou a descaracterização da política urbana do país (por meio de mudanças de leis e da constituição), condição que estabelece claros limites à democracia brasileira. Diante deste contexto, apontou exemplos e possibilidades para qualificar o ideal do direito à cidade.

 

A urbanista analisou a lógica de exclusão presente na organização das cidades brasileiras e lembrou a necessidade de considerar a relação entre violência e divisão do espaço público, alertando para o fato de que as milícias estão assumindo o lugar do Estado brasileiro.

 

Ao final perguntou aos presentes: quem pode viver e quem deve morrer nas cidades brasileiras? Em sua opinião, a atual conjuntura vivida exige uma tomada de atitude.

 

No trabalho de Mônica, e em temas urbanos, notamos a presença de Marielle Franco. Tanto como exemplo da extrema vulnerabilidade de setores específicos da sociedade brasileira, quanto pela potência da sua figura como símbolo de ressignificação de práticas políticas e dos espaços públicos – que estão se materializando nas ruas e parques que vem sendo rebatizados com seu nome em várias cidades do mundo.

 

Marielle Franco sacrificou a sua vida pela luta contra o racismo, o sexismo, a injustiça social e a captura do Estado pelo crime organizado. A sua nobreza e a coragem da sua luta impressionaram todos os que a conheceram, independentemente de posições políticas. É inegável que o seu brutal assassinato abalou o mundo, que ocorreu como manifestação de ódio que explode sobre os corpos que ousam ocupar seu espaço natural: a cidade.

 

Este cenário macabro impulsionou uma investigação criminal QUE QUASE investiga, QUE QUASE sabe quem a matou e mandou matar, QUE QUASE se dispõe a formular acusações e a julgar. Porém, ESTE QUASE parece nunca terminar, transformando-se num pesadelo para a família de Marielle e para o mundo.

 

É necessário entender que ao tratar do nome e das causas de Marielle Franco deveríamos resgatar os fins da sua luta e o seu significado. Ressalta-se que o seu sacrifício jamais poderá ser banalizado, mesmo porque, não seria possível ignorar os fortes indícios de que Marielle foi assassinada pelas milícias.

 

Temos de lembrar que a vereadora à época havia atuado, pouco antes de sua morte, na CPI sobre o referido tema, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

 

Neste sentido, precisamos entender e enxergar que o debate aqui proposto tem de ser fundamentalmente comprometido como luta por justiça à Marielle Franco e ao Anderson Gomes. Afinal, são dois anos sem resposta para a pergunta: quem mandou matar Marielle? Entretanto, inadvertidamente retornamos ao QUASE, já tratado anteriormente. Afinal, basta de QUASE, o mundo precisa da resposta.

 

Assim sendo, levando-se em conta a história desta heroína brasileira e sua violenta execução, como forma de manter a memória social necessária ao caso, seria fundamental a reflexão sobre quem foi Marielle e o que representou e a sua presença no cenário político-institucional da cidade do Rio de Janeiro. Aliás, corrige-se em tempo, o que ela continua a representar, porque vive.

 

Espaços dos guetos, dos guetos, dos guetos

 

Portanto, inegável, falar de Marielle e sua luta é revelar nossas cidades partidas entre “centros” e “periferias”, que não dão conta de apontar todas as dimensões deste Apartheid social, que é reforçado pelas políticas locais, em Palmas (TO), reconhecido como espaços dos guetos, dos guetos, dos guetos.

 

Evidente que por esta natureza se configuram em frequentes violências e significados. Assim, falar de Marielle é assegurar que as cidades têm cor e gênero, têm bairros ricos e pobres, e esses elementos não são secundários.

 

Questiono aos leitores para reflexão: alguém tem alguma dúvida de que há uma diferença constante da presença dos serviços públicos nos bairros centrais e periféricos da cidade? Ora, observamos diariamente este tratamento desigual por parte do Poder público.

 

Deste modo, as deficiências de infraestrutura e serviços nas margens da cidade vão muito além da ideia de “ausência” governamental, trata-se na verdade de uma presença estigmatizadora, racista e violenta por parte do Poder público.

 

Evidentemente que esta política urbana preconceituosa, racista e estigmatizadora humilha parte significativa da população. São movimentos constantes para tentar apagar a humanidade e os direitos desta população a se constituir como sujeito na esfera pública para levantar sua voz e se fazer respeitar no mundo da política, lógico que isto detona a violência nos seus variados formatos.

 

Neste sentido, Marielle foi vítima de um assassinato covarde por ousar furar estes bloqueios e afirmar que podia sim, como todas as meninas e mulheres negras moradoras dos territórios populares do Brasil, elevar a voz e ousar governar o país.

 

Evidente, neste contexto, não podemos esquecer que estamos falando de uma vereadora negra, oriunda de bairros periféricos, opositora das políticas repressivas utilizadas pelas forças de segurança, que reforçou o debate sobre esse modelo de cidade mercadoria, fruto de uma política hegemônica do Estado, marcada pela exclusão e punição. E, está vereadora tinha como discurso a tentativa de convencimento de que “o Estado é para todos”.

 

Para além disso, Marielle Franco, contrariamente ao senso comum, contrapunha-se a manutenção dessa violência estrutural, que é justificada e legalizada pelo aparato vigente, dizia que ruas cheias de polícia representam insegurança, e não segurança como é sustentado pela ideologia dominante.

 

Portanto, argumentava que “a forma como a polícia militarizada do Brasil trata jovens negros, pobres, como inimigos em potencial do Estado de Direito” serve para produzir uma impressão na população, qual seja, a de que está em jogo a defesa de todos. Ao contrário, esse modelo em curso reforça a violência estrutural.

 

Para entender este desfecho trágico se verifica que o assassinato de Marielle expôs as contradições de um sistema que exalta a meritocracia e diz que a cor e a origem pouco importam diante do esforço individual. Isto é mentira! Pois alçar um espaço na vida pública não foi suficiente para impedir que ela fosse morta. Entretanto a sua morte, não poderá, sob hipótese, alguma ser uma mera estatística.

 

Para fechar a mensagem cabe dizer que as milhares de Marielles que estão rompendo parte destes bloqueios e emergindo como sujeito político, parte disso graças a políticas sociais existentes, hoje objeto de ataque feroz pelo Governo Federal, não podem se calar. Portanto, a presença de Marielles nos espaços de poder nos fará certamente mexer naquilo que os projetos políticos até o momento não puderam ou não quiseram enfrentar.

 

 

Por João Bazzoli - Professor do Curso de Direito e do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Federal do Tocantins. Pós-doutoramento pela Universidade de Lisboa. Coordenador Regional do Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU). Focal Point UN-HABITAT/ONU/UFT. Pesquisador em Planejamento Urbano.

Notícias sobre:

marielles debate cidades políticas

Outras Notícias