Palmas, Tocantins -

Em Debate

Fernando Ferreira

Fernando Ferreira

fernanceferreira@hotmail.com


Em Debate
251 visualizações

Memórias de um preconceituoso em recuperação

- Atualizada em
Descrição: Imagem ilustrativa Reprodução/ISTOÉ

Certa vez me mudei de república e, pela primeira vez desde que saí da casa dos meus pais, fui morar com um grupo de pessoas que não conhecia. Ao todo, éramos 5.

 

Três primos e um desconhecido nem tão desconhecido assim. Era uma cara mais velho e que morava na cidade onde meus pais ainda viviam. Eu gastava todos os adjetivos preconceituosos nos meus pensamentos. Caprichoso, tia... na realidade era gay e afeminado, só isso!

 

Mas pior que meus pensamentos, que me fez sofrer por ele e começar a matar aquele fernando um pouco, foi quando minha mãe veio conhecer a minha casa nova. Foi um choque quando ela o viu. Nunca vou me esquecer das feições dela se transformarem como numa cena ensaiada. Pensou ela que ele me faria veado? Me transformaria, me comeria?

 

Mesmo ainda vivendo como um fernando, fui me transformando. Morávamos perto de uma zona bastante movimentada de Juiz de Fora. Bares que não fechavam antes de amanhecer. Assim, toda vez que estava voltando pra casa, tomava mais uma em algum deles. E ali passei a conviver com todos os tipos, inclusive com o meu tipo visto nos outros.

 

Num desses bares, era onde meu agora amigo e companheiro de república ficava com suas amigas. Érica, sempre com a peruca muito bem escovada, Elke, que se vestia como homem, mas se apresentava assim. E se apresentava sempre. Era muito performática. E Milena Miller. Outra que ajudou mais um pouco a matar aquele fernando. 

 

Milena merece muito mais que um parágrafo. São muitas Milenas por aí e por aqui. Milena era uma travesti com tudo que pudesse identificar as travestis dos anos de 1980. Tinha feito vida na Itália e, por lá, arrumou um marido que se transformou num mantenedor quando ela pra cá retornou. Eu achava que a história poderia ser uma lenda pra tentar disfarçar uma vida que não deveria dar orgulho a ela. Mal sabia ela que, a mim, me dá orgulho até hoje. Mas era verdade. Uma vez por ano, ele vinha ao Brasil visitá-la. Tive a oportunidade de conhecer. 

 

Voltando pra casa, numa madrugada, resolvi atravessar a praça e ir até o bar. Quem sabe tomar um “chazinho” com a Érica que com esse nome batizou a pinga com guaraná. Mas esse dia, a Milena tinha comprado um fusquinha branco rebaixado e estava na calçada com as portas abertas e uma fita da Ângela Maria tocando no carro. E ela, dublando sua musa.

 

Que cena a dela! Que papel triste o meu. Admirando o espetáculo e vendo falsa beleza poética num mundo sem poesia. Cheguei perto e ela matou o fernando mais um pouquinho. Me chamou pra dar uma volta de carro no quarteirão. Acho que fiz a cara que minha mãe fez quando conheceu meu amigo. Me transformaria em travesti, me comeria, me faria comê-la?

 

Não por esses motivos, mas por um que faço uso dele até hoje de tentar agir com razão, entrei no carro e fui. Como ela ficou feliz e eu também. Demos uma volta falando muito, rindo alto e ouvindo Ângela Maria.

 

No dia a dia, meu medo era cruzar com a Milena pelas ruas da cidade quando estivesse andando com minha mãe. Risco zero! Milena não andava pela cidade nas horas que costumava andar eu com minha mãe pelas ruas. 

 

Era meados da década de 1990. A Aids ainda matava muita gente. Milena foi embora nessa época. Comigo ficaram a lembrança, me conhecer hoje Fernando, com letra maiúscula e, por fim, a fita da Ângela Maria que guardo comigo há mais de 25 anos.

 

Fernando Ferreira é jornalista e radialista formado pela Universidade Federal de Juiz de Fora – MG, com especialização em Gestão de Empresas de Comunicação pelo Instituto Internacional de Ciências Sociais em São Paulo. Mora em Palmas desde 1999 e, atualmente, é Diretor de Comunicação e Relacionamento na Secretaria de Estado da Comunicação.

Outras Notícias