Palmas, Tocantins -
Eleição suplementar no TO

Em 19 dias, mais de um milhão de eleitores vão às urnas escolher o novo governador

Presidência do Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins realizou reunião com juízes eleitorais e servidores e detalhou dados sobre a eleição
- Atualizada em
TRE presta informações aos juízes e servidores Ascom/TRE-TO

A menos de um mês para as Eleições Suplementares, o Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO) finaliza os preparativos para a votação no dia 3 de junho. O presidente do TRE-TO, desembargador Marco Villas Boas, se reuniu na tarde desta segunda-feira, 14, com os juízes eleitorais do Estado, chefes de cartório e demais servidores envolvidos diretamente nas Eleições para repassar orientações técnicas e esclarecimentos sobre as fases do processo eleitoral.

 

As eleições ocorrerão em 139 municípios do Tocantins. Serão sete candidatos disputando a vaga de governador do Estado para um mandato tampão que termina no dia 31 de dezembro. Estão aptos a votar nesta eleição 1.018.329 de eleitores, em 877 locais de votação, 297 sessões especiais e 4.998 urnas eletrônicas.

 

Conforme o Tribunal, a meta de apuração do resultado da eleição é de 300 minutos. Serão 11.154 mesários e 3.051 auxiliares; além de 40 magistrados, entre membros do TRE-TO e juízes eleitorais.

 

Villas Boas ressaltou a importância de cada um dos juízes eleitorais e servidores no processo eleitoral. “Todos nós sabemos o cuidado que a Justiça Eleitoral tem com a transparência, segurança, isenção, eficiência e eficácia do processo eleitoral. Terminamos uma eleição e já começamos a trabalhar para o pleito seguinte. Estas suplementares são eleições que nos pegaram de surpresa, mas não despreparados. Entretanto, precisamos ter um foco especial nas eleições que vão ocorrer, trabalhando com toda segurança possível para que de fato a gente esteja preparado e coloque as urnas eletrônicas nos locais de votação e realize um pleito com a mesma qualidade de sempre, com a mesma qualidade que faremos as eleições gerais, já esperadas para outubro”, disse.

 

Também presente na reunião, o procurador eleitoral Álvaro Manzano, explicou que as eleições suplementares vão ocorrer de forma direta, valorizando a cidadania tocantinense. “Vamos atuar em todas as zonas eleitorais, já fizemos reuniões com os representantes dos partidos para discutir a questão da legislação aplicada, porque nós tivemos reformas no final do ano passado, que a princípio em razão da proximidade só poderiam ser aplicadas nas eleições de outubro, mas então chegamos ao entendimento de que essas leis, principalmente ao que se refere à propaganda eleitoral, não alteram o processo eleitoral em si, então, estaria fora daquela obrigação da constituição que diz respeito ao período de um ano antes das eleições para entrar em vigor, então, por exemplo, a utilização do uso de carros de som, o uso da internet na propaganda eleitoral já estará em vigor nas eleições suplementares”, detalhou o procurador.

 

A secretária judiciária e gestão da informação, Regina Bezerra orientou os juízes e servidores com relação à alguns procedimentos da fiscalização da propaganda eleitoral. “Como é uma eleição suplementar para governador, então, todo o trâmite consensual será realizado aqui no Tribunal”, explicou.

 

(Com informações da Ascom/TRE-TO)