Palmas, Tocantins -
Febre amarela

Estado diz que não há recomendação de fracionamento de doses da vacina no Tocantins

Conforme a pasta, no ano de 2017, houve uma confirmação de morte por febre amarela silvestre em humano, não vacinado, vindo do Rio de Janeiro, mas que há 17 anos o Tocantins não registrava morte
- Atualizada em
Doses de vacina contra a febre amarela estão disponíveis Nielcem Fernandes

A Secretaria de Estado da Saúde informou nesta sexta-feira, 12, que não há recomendação de fracionamento de doses da vacina de febre amarela no Tocantins e que a mesma está disponível nas salas de vacina do Estado. Conforme a pasta, no ano de 2017, houve uma confirmação de morte por febre amarela silvestre em humano, não vacinado, vindo do Rio de Janeiro, mas que há 17 anos o Tocantins não registrava caso de morte por febre amarela em humano.

 

“É importante esclarecer que não há motivo para a busca da vacina de forma indiscriminada, pois a pessoa que já recebeu uma dose da vacina de Febre Amarela ao longo da vida será considerada vacinada”, ressaltou a gerente estadual de Imunização, Greicy Rivello, acrescentando que diante do cenário epidemiológico foi recomendado aos municípios que adotem estratégias de alcance de altas e homogêneas coberturas evitando assim bolsões de suscetíveis.

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a vacina contra febre amarela é a medida mais importante para a prevenção e controle da doença e apresenta eficácia de aproximadamente 95%, além de ser reconhecidamente eficaz e segura.

 

A Febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda causada por um arbovírus do gênero Flavivirus, tendo como hospedeiro natural, os primatas não humanos (macacos) que habitam nas florestas tropicais. O vírus amarílico é muito agressivo, se multiplica por todo o organismo, e lesa órgãos importantes, principalmente fígado e rins.

 

Orientações

 

Conforme recomendações da Portaria nº 1533 de 18/08/16 e Nota Informativa nº 94/2017, a vacina contra febre amarela deve ser ofertada em dose única à população de 9 meses até 59 anos de idade.

 

“Antes de administrar a dose da vacina, deve verificar se o usuário apresenta alguma contra indicação para o uso da vacina, como: imunossupressão, alergia a ovo, idade menor de 9 meses, gestação, dentre outras, conforme Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação”, destacou a gerente.