Palmas, Tocantins -

Estado


Movimento "Luta pela Vida"
306 visualizações

Indígenas do Tocantins se unem e protestam em Brasília contra marco temporal

O "Marco Temporal" trata sobre demarcação de terras. O julgamento sobre o tema foi suspenso na tarde de quinta-feira, 26, e deve ser retomado em setembro
- Atualizada em
Descrição: Delegação indígena do Tocantins Arquivo pessoal

Indígenas do Tocantins e de diversas partes do Brasil estão reunidos na Esplanada dos Ministérios em Brasília - DF, na mobilização "Luta pela Vida", onde protestam contra o "Marco Temporal", que trata sobre demarcação de terras. Conforme informações divulgadas pelo Instituto Indígena do Tocantins (INDTINS), o julgamento sobre o tema foi suspenso após a leitura do relatório inicial do ministro Edson Fachin, no final da tarde de quinta-feira, 26, e deve ser retomado no dia 1º de setembro. 

 

Pelo critério do "Marco Temporal", são terras indígenas aquelas que estavam ocupadas pelos povos tradicionais em 5 de outubro de 1988. Ou seja, é necessária a comprovação da posse da terra no dia da promulgação da Constituição Federal. 

 

Em entrevista ao Portal T1 Notícias, a presidente do Instituto Indígena do Tocantins (INDTINS), Narubia Werreria, destacou a importância das discursões políticas dos indígenas tocantinenses nas ações de luta pelo direito a suas terras.  “Os povos têm mostrado sua cultura e resistência nas articulações plenárias, com uma atuação muito forte das mulheres também. Nós estamos atuando com discursos de conjuntura e decisões. O movimento indígena do Tocantins na manifestação foi o maior dos últimos dez anos, uma delegação de quase 200 pessoas, mais de cinco povos do Estado. O intuito é fazer a união dos povos Indígenas, para lutar por nossos direitos”, declarou. 

 

Werreria comentou que o propósito é a junção entre as pessoas, para o fortalecimento do movimento, acreditando que o Tocantins irá se mostrar cada vez mais forte e atuante na reivindicação, com uma mobilização de luta e união pelos direitos dos indígenas a suas terras. “Não vamos tombar diante do extermínio contra as populações indígenas, da retirada dos direitos originários a terra, nós estamos aqui muito antes de 1500. Essa terra é nossa, o Brasil é indígena", encerrou.