Palmas, Tocantins -

Estado


Plano de saúde

Servir mantém suspensão de cirurgias eletivas durante o enfrentamento à pandemia

A medida adotada pelo plano de saúde dos servidores do Estado visa evitar o contágio da doença em unidades hospitalares
- Atualizada em
Divulgação/Governo do Tocantins

O Servir, plano de saúde que atende os servidores do estado do Tocantins, informou que será mantida a suspensão temporária de cirurgias eletivas durante o enfrentamento à pandemia. A medida foi determinada em março por uma decisão em comum acordo com prestadores de serviços conveniados que, conforme o Servir, se dá em razão da necessidade de garantir a segurança dos beneficiários durante a pandemia causada pelo coronavírus.

 

As cirurgias eletivas são procedimentos que não necessitam de execução imediata e podem ser postergados sem prejuízos. Já os casos de urgência e emergência são aqueles que não podem ser adiados, esta modalidade permanecerá ativa, não sendo uma opção para o Servir a descontinuidade dessa assistência. O médico responsável pelo atendimento é quem determina se o procedimento necessário é de urgência, emergência ou eletivo.

 

Ineijaim Siqueira, diretor do Servir e secretário executivo da Secretaria da Administração disse que a medida tem como objetivo “dar todo suporte para que a atuação dos serviços de saúde e de regulação tenham os resultados que a população requer”. O secretário afirmou que a preocupação é “respeitar o cenário que o Tocantins está inserido no enfrentamento da pandemia e trabalhar pela assistência dos nossos beneficiários”. Siqueira ressaltou ainda que os casos eletivos de baixa complexidade, aqueles que não necessitam de leito de estabilização ou de UTI, devem receber flexibilização em breve.

 

Medidas

 

Na tarde de quinta-feira, 13, o governador do Estado do Tocantins, Mauro Carlesse, apresentou medidas que visam a retomada gradual de atividades no Estado. Com novo decreto previsto para publicação ainda nesta sexta, 14, será determinado retorno das atividades presenciais no serviço público estadual, com a estratégia de revezamento a fim de reduzir o fluxo de servidores, em jornada de seis horas.