Palmas, Tocantins -
Nomeações de novos delegados
830 visualizações

Sindepol repudia novo organograma: “um dia depois de inquérito contra deputado”

O presidente do Sindepol se refere ao novo organograma da Polícia Civil, publicado no Diário Oficial de ontem, 5, no qual os delegados acumularão mais funções
- Atualizada em
Presidente do Sindepol-TO, Mozart Felix Divulgação

Em nota enviada à imprensa na manhã desta quinta-feira, 6, o presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Tocantins (Sindepol-TO), Mozart Felix, repudiou o que definiu como “mais um ato de perseguição e ingerência política do Governo do Estado do Tocantins contra a Polícia Civil”.

 

O presidente do Sindepol se refere ao novo organograma da Polícia Civil, publicado no Diário Oficial de ontem, 5. “Um dia depois de ser instaurado inquérito policial contra o Deputado Olyntho Neto, o Governo do Estado do Tocantins resolve publicar no Diário Oficial, sem retornar os Delegados Regionais que foram dispensados no dia 16 de novembro e ainda reduzindo de 13 para 8 as Delegacias Regionais de Polícia no Interior”, informou Mozart.

 

O Sindepol destaca que “tal medida prejudicará sobremaneira o trabalho da Polícia Civil do Tocantins, posto que temos um estado com dimensões continentais e haverá cidades que ficarão mais de 400 km distantes da sede de sua Delegacia Regional”.

 

Mozart Felix ainda informa que o sindicato enviou ofício ao delegado Geral de Polícia na última segunda-feira, 3 de dezembro, falando sobre a importância da manutenção das 13 Delegacias Regionais e da recondução dos delegados regionais dispensados em novembro.

 

“Hoje, com a publicação do DOE, fica claro o desrespeito do governo do estado para com a Polícia Civil, os Delegados de Polícia e toda a sociedade. Resta demonstrado também que nunca houve real intenção de reforma administrativa na Polícia Civil, mas tão somente a vontade de dificultar os trabalhos da Polícia Judiciária. É justamente contra esse tipo de comportamento que lutamos. Queremos uma Polícia Civil autônoma”, finaliza o presidente do Sindepol.

 

Confira abaixo a nota na íntegra: