Palmas, Tocantins -

Estado


Lagoa da Confusão
328 visualizações

Sindjor diz lamentar agressão que teria sido cometida contra jornalista

O Sindjor lamenta para uma ameaça real à democracia e afirma que a suposta atitude do vereador é um atentado às liberdades de expressão e de imprensa.
- Atualizada em

 Por meio de nota, o Sindjor se manifestou sobre o episódio ocorrido na cidade de Lagoa da Confusão, em que o jornalista Wiliam Borges, no exercício da profissão, teria sido agredido fisicamente pelo vereador Waguinho (PSD).

Confira a nota na íntegra:

 

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Tocantins –Sindjor/TO vem a público alertar a sociedade tocantinense para uma ameaça real à democracia: a intimidação a jornalistas. O Jornalismo é uma atividade essencial à constituição da cidadania e qualquer tentativa de impedir sua realização fere o direito à informação e o direito à livre manifestação de pensamento assegurados a todos os cidadãos na Constituição Federal.

 

O Sindicato dos Jornalistas do Tocantins lamenta o episódio ocorrido na última segunda-feira, dia 20, na cidade de Lagoa da Confusão, em que o jornalista Wiliam Borges, no exercício da profissão, foi agredido fisicamente pelo vereador Vagner Teodoro de Oliveira, conhecido como Waguinho (PSD). A atitude do vereador, que tentou tomar o equipamento de trabalho do jornalista, agredindo-o com socos e pontapés, é um atentado às liberdades de expressão e de imprensa.

 

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Tocantins reafirma, nesta oportunidade, sua solidariedade ao jornalista Wiliam Borges pelo ataque sofrido, ao mesmo tempo em que coloca sua assessoria jurídica à sua disposição para as ações judiciais cabíveis.

O Sindicato dos Jornalistas do Tocantins ressalta que a verdadeira democracia exige dos agentes políticos a aceitação da crítica. Ressalta também que o Jornalismo é, por essência, uma atividade que busca lançar luz sobre fatos obscuros para os cidadãos. Ao mesmo tempo, conclama a sociedade tocantinense a ficar vigilante contra qualquer tentativa de tutela que queiram imprimir ao Jornalismo, atividade que é um dos pilares de Estado de direito e da própria democracia.

 

A DIRETORIA DO SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS DO ESTADO DO TOCANTINS.

PALMAS, 21 DE AGOSTO DE 2012