Palmas, Tocantins -
Polícia Civil
889 visualizações

Três pessoas são indiciadas em inquérito da Operação ONGs de Papel

De acordo com o delegado Gregory Almeida, em três anos (2015-2018), os valores desviados, mediante repasse a apenas uma das entidades investigadas, ultrapassa os R$ 15 milhões.
- Atualizada em
Reprodução

A Polícia Civil do Tocantins concluiu nesta sexta-feira,12, o primeiro Inquérito Policial referente à operação “ONGs de Papel”, que investiga suposto desvio de recursos de emendas parlamentares em convênios com instituições sem fins lucrativos. Nessa fase da operação, foram indiciadas três pessoas, as quais integravam o núcleo do esquema criminoso e agiam como operadores, sendo-lhes imputados os crimes de peculato, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

 

Neste sábado, 13, o Poder Judiciário ainda converteu em preventiva a prisão de um dos alvos da operação. Ele estava preso temporariamente desde o dia 4 de julho. O segundo suspeito também recebeu mandado de prisão preventiva na última quinta-feira,11. Já a terceira pessoa indiciada foi liberada e vai responder em liberdade.

 

De acordo com o delegado Gregory Almeida, em três anos (2015-2018), os valores desviados, mediante repasse a apenas uma das entidades investigadas, ultrapassa os R$ 15 milhões. 

 

Ainda segundo o delegado, outros inquéritos policiais serão instaurados com o desdobramento da investigação. “Pretendemos apurar se outras pessoas se beneficiaram dos valores desviados dos cofres públicos ou se auxiliaram de alguma forma na ação de 'lavar' o dinheiro desviado”, afirmou.

 

Entenda

 

No início do mês, a Policia Civil realizou buscas e apreensões de documentos na Agência de Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc), na Secretaria de Indústria e Comércio do Estado (Sics) e em residências em Palmas e Paraíso, em duas fases da Operação Ong's de Papel. Também foram cumpridos mandados de prisão temporária contra cinco suspeitos.

 

A suspeita era de que institutos do terceiro setor e empresas supostamente existentes apenas "no papel" estariam envolvidos em esquemas de desvios de verbas públicas oriundas de emendas parlamentares.