Palmas, Tocantins -

Falando de Direito

Ver comentários
Marcelo Cordeiro

Marcelo Cordeiro


Colunista do editorial Falando de Direito

3.502 visualizações

Eles não são manifestantes, são criminosos. Bala de borracha neles

- Atualizada em

Junho de 2013 vai ficar na história recente do país. As manifestações populares que houveram no mês de junho de 2013 foram uma demonstração de democracia, de civilidade e de indignação contra a corrupção e contra toda a incompetência da administração pública brasileira: “hospitais que não curam; escolas que não ensinam e polícia que não elucida crimes”.

Toda essa manifestação de grandeza e de beleza da sociedade brasileira começou a ser desmontada pelos arruaceiros e criminosos que se infiltraram nas passeatas.

Os idiotas mascarados estão destruindo as manifestações legítimas.

Hoje, para a alegria dos corruptos e dos ladrões encastelados no poder, a sociedade que saiu às ruas em junho, numa demonstração de grande civilidade e consciência política, encontra-se acuada em casa e os idiotas mascarados estão nas ruas, saqueando, depredando, destruindo patrimônio público e privado. E pior, são chamados de manifestantes. Eles não são manifestantes, são criminosos. Estão destruindo as manifestações pacíficas e legítimas.

Como resolver isso? Aplicando a lei. Aplicando a força do Estado, a força da inteligência e a força policial.

A inteligência do Estado (conhecido antigamente como serviço de informação) precisa funcionar, identificando as pessoas que estão organizando, fomentando e semeando a destruição do patrimônio público e privado no Brasil. Investigar, identificar, prender e processar essas pessoas é uma obrigação do Poder Executivo e do Poder Judiciário, já que existem leis para isso.

A Constituição Federal no art. 5º, inciso IV, estabelece que é “livre a manifestação do pensamento, sendo vedado anonimato”. Portanto, todo cidadão brasileiro tem a liberdade de manifestar livremente o seu  pensamento. Foi isso que aconteceu nas passeatas legítimas de junho. Contudo, é inadmissível a presença de pessoas mascaradas em passeatas, usando do anonimato para depredar e saquear.

Não se pode admitir que comerciantes e empresários tenham seus negócios destruídos da noite para o dia, comprometendo o sustento de suas famílias e de centenas de empregos. Quem vai pagar esses prejuízos? Infelizmente ninguém vai pagar esses prejuízos. Esses comerciantes e empresários são brasileiros que trabalham arduamente para construírem seus negócios e não podem ficar privados de suas empresas.

Infelizmente a imprensa brasileira, em sua grande maioria, não está defendendo a ação policial. Pelo contrário, está criticando e formando uma opinião contrária a ação da polícia. A imprensa brasileira ainda confunde repressão a bandidos com repressão política e assim contribui negativamente para formar uma opinião correta do que está acontecendo nas ruas.

Esses idiotas mascarados precisam ser reprimidos com toda a força que o Estado tiver disponível: bala de borracha, gás lacrimogênio, spray de pimenta, cassetetes, cães e toda espécie de arma não letal. Tudo isso porque eles estão destruindo um patrimônio muito maior do que o patrimônio público e privado. Os idiotas mascarados estão destruindo a democracia brasileira. Estão destruindo as manifestações democráticas e pacíficas. Esses, na verdade, devem ser o principal motivo pelos quais os imbecis mascarados devem ser severamente reprimidos.

E mais, quem sai ganhando se esse bando não for retirado das ruas? Quem ganha são os administradores corruptos e incompetentes que permaneceram no poder, porque o povo não pode mais ir para as ruas.

É isso.

 

Marcelo Cordeiro é advogado, pós-graduado em administração pública, mestrando em Direito Constitucional pelo IDP, ex-juiz do TRE/TO. Escreve todas as segundas na coluna Falando de Direito