Palmas, Tocantins -

Geral


Copa América
151 visualizações

Copa América: Estatuto da FIFA diz que Bolsonaro não pode interferir na CBF

O futebol não compactua com a interferência estatal nos assuntos internos das federações nacionais, sendo que o órgão máximo da modalidade, a FIFA, inclusive já aplicou punições à seleção por isso
- Atualizada em
Lucas Figueiredo/CBF

Esta vem sendo a edição de Copa América mais polêmica de todos os tempos. E isso talvez tenha se dado por conta do atual governo, que acabou abraçando a competição e vem trabalhando em conjunto com a CBF para garantir a realização do torneio, discutindo até mesmo a permanência do técnico Tite no comando da seleção brasile teve sua estreia na Copa América neste domingo, 13, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. Porém, o futebol não compactua com a interferência estatal nos assuntos internos das federações nacionais, sendo que o órgão máximo da modalidade, a FIFA, inclusive já aplicou punições à seleção por conta disso.

 

Estatuto

 

No artigo 14 e 19 do Estatuto da FIFA, relata-se a autonomia e independência das federações na sua atuação, não permitindo a interferência de terceiros. Segundo o advogado especializado em direito esportivo, Pedro Juncal, "O estatuto da Fifa, no seu art. 14, traz obrigações que devem ser cumpridas pelas associações nacionais e que, caso não sejam, podem levar à suspensão e até à expulsão das mesmas. Entre essas obrigações está o cumprimento de regulamentos, disposições, decisões e estatutos da entidade. No que toca a questões pessoais, de membros das associações nacionais, estas devem observar toda a regulação do Código de Ética da Fifa, em especial o capítulo que versa sobre as regras de conduta".

 

Há também a atitude externalizada dos jogadores da seleção brasileira de não quererem disputar a Copa América, o que tem causado certa preocupação ao Governo Federal. Segundo o diário Correio Braziliense, em uma tentativa de impossibilitar um possível vexame político, o presidente Jair Messias Bolsonaro teria colocado toda a estrutura do Palácio do Planalto em funcionamento para que o Brasil realmente participasse do torneio. Contudo, intervenções desse tipo não são toleradas pela FIFA, e já há um histórico de casos semelhantes que resultaram em punições para outras federações. Mas, mesmo com a ameaça de que não ocorra a Copa América, há diversos outros torneios tão disputados quanto, que podem ser acompanhados num site confiável com a melhor casa de apostas já que este reúne as principais plataformas de apostas esportivas atuantes no país e compila diversos bônus e promoções para os seus usuários.

 

Não deve haver punição

 

Apesar de já haver um histórico de punições em casos semelhantes, segundo alguns especialistas não deve ocorrer nenhuma sanção. O advogado e colunista da Lei em Campo, Martinho Neves ressalta que por conta da força da seleção brasileira, a única pentacampeã mundial, e a falta de provas, muito dificilmente haverá a confirmação de uma interferência política sobre a CBF. Mas, é sabido que tanto a comissão técnica quanto os jogadores do Brasil não aprovaram a forma com que foi feita a negociação entre a CBF e o Governo Federal para a realização da Copa América em terras tupiniquins. Sendo que um dos principais motivos para esta desavença seriam os altos números de casos de óbitos causados pela crise sanitária.

 

Na sexa-feita, 4 de junho, logo após a vitória do Brasil sobre o Equador em jogo válido pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, o capitão da seleção brasileira, Casemiro, expressou a decisão unânime dos seus companheiros futebolistas e da comissão técnica de que eles são contra a realização do torneio.

 

A novela continua

 

Acredita-se que, mais uma vez, os jogadores irão expressar suas opiniões contrárias à realização da Copa América no Brasil, aumentando ainda mais a pressão sobre a CBF. Ainda segundo a matéria divulgada pelo Correio Braziliense, o Governo estaria disposto a ignorar a negativa do elenco da atual seleção, convocar uma nova equipe e dispensar Tite do seu cargo, escolhendo um treinador que esteja mais alinhado com o Palácio do Planalto - sendo que essa medida já estaria sendo negociada com a CBF.

 

Um dos principais questionamentos feitos agora é se a FIFA terá a coragem de aplicar alguma sanção a uma confederação tão importante e influente como a CBF, mesmo se provada a interferência política.  Já que na prática, ao ocorrer uma punição nesse tipo de caso, a seleção das respectivas federações não poderão disputar as competições internacionais, a exemplo a Copa do Mundo. Para nós telespectadores, só resta acompanhar as cenas dos próximos capítulos.