Palmas, Tocantins -
Exemplo

Educador físico conta como auxílio para estudar mudou a sua vida

Na bagagem de uma trajetória marcada pela superação e pelo sucesso
- Atualizada em
Agência Educa Mais Brasil

Filho de uma professora e de um profissional de logística, Jadir Loiola tem como lema superação e gratidão que leva consigo para sempre, junto com o sonhado diploma de Educação Física.  Ele recorda com alegria da infância. Era um menino feliz, cheio de sonhos e com uma família bem estruturada. Até a separação dos seus pais, quando tudo mudou. “Meu pai saiu de casa e eu, minha mãe e meus dois irmãos ficamos sem renda. Minha mãe largou tudo. Deixou o trabalho como professora de Sociologia e foi cuidar da gente, sem a ajuda financeira do meu pai que. Ficamos quase sem nada”, desabafa.

 

Com essa realidade, o educador físico e seu irmão mais velho precisaram ser transferidos para um colégio público. “A minha irmã foi a única que se manteve em uma escola particular com a ajuda do padrinho”, pontua. Segundo Jadir, a única coisa que não mudou depois da separação, foi a garra da sua mãe e o incentivo dado pela mesma para os estudos e educação dos filhos.

 

 

Jadir Loiola na sua formatura. Crédito: Acervo Pessoal

 

 

O sonho da graduação estava distante, apesar do incentivo da mãe até que, através de um primo, Jadir conheceu o Educa Mais Brasil, programa de bolsas de estudo para várias modalidades de ensino, inclusive para a graduação. “Meu primo viu um anúncio no jornal e, como ele sabia que eu queria muito estudar mas minha família não tinha condições, me falou da oportunidade”, conta.

 

Jadir não pensou duas vezes. Foi na casa do primo, fez sua inscrição e conquistou uma bolsa de 50%. “Apresentei o valor da mensalidade para minha mãe e depois mostramos para a família. Graças a eles, consegui me formar”. Foi em 2009, depois de muita luta, que Jadir concluiu a graduação.

 

Um estudo recente divulgado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil está entre os cinco países com piores taxas de pessoas com ensino superior entre as 45 nações analisadas em um estudo. Segundo o estudo, apenas 21% dos brasileiros de 25 a 34 anos têm diploma de ensino superior.

 

Jair tem 35 anos, e felizmente por pouco não se encaixou nas estáticas, mas nem todos têm a mesma oportunidade dele, ele tem convicção disso. “Hoje, tenho tudo que sempre quis, apartamento próprio, carro. Mas o mais importante é a família linda que construí ao lado da minha esposa e da minha filha” comemora. Ele diz não ter palavras para agradecer à família e ao Educa Mais Brasil. “Minha família me ensinou o que é vencer na vida. Sem eles e a bolsa de estudo nunca conseguiria me formar”, conclui.