Palmas, Tocantins -

Geral


3.123 visualizações

Na marca dos 70 dias, análise do quadro político mostra que aliados podem ajudar mais

Tenho ouvido muitas coisas nos bastidores da Assembléia e fora dela nos últimos dias, diante do recrudescimento das relações entre governo e oposição neste começo de gestão de Siqueira Campos à frente do Araguaia. A forma como a equipe foi montada e ...
- Atualizada em

Já se vão cinco meses do anúncio do resultado das urnas na eleição mais disputada da história recente do Tocantins. Já estamos na marca dos 70 dias de governo Siqueira e parafraseando o jingle, ainda parece faltar muito para que ele ponha “as coisas todas no lugar”.

Do janeiro turbulento, desaguando no fevereiro de 12 a 12 na Assembléia, entramos pelo março de carnaval sem Orçamento aprovado com clima de animosidade ainda presente nas relações entre Executivo e Legislativo.

Muito aconteceu entre as quatro paredes das salas de reuniões com a montagem da equipe de Siqueira, os bastidores da disputa pela presidência da Assembléia, até os dias atuais. Para ganhar a eleição, o governador precisou contar com uma soma de forças e esforços hercúleos no período de campanha. E só assim superou a máquina poderosa do governo - que agora se sabe –  a quão alto custo tocou suas ações e campanha.

Vencida a eleição, desmontou-se o time da campanha. O governador, auxiliado de perto pelo ex-senador Eduardo passou a montar a seu modo sua equipe e os aliados... bem, os aliados precisaram esperar. Das duas maiores alavancas de votos, apoios, lideranças e recursos - Kátia Abreu e João Ribeiro - aos menores construtores da vitória (presidentes de pequenos partidos e suas formiguinhas pedindo voto de porta em porta), todos assistiram e consentiram a uma certa distância, que o novo governador fizesse as suas escolhas, desse o seu tom e a partida no seu governo.

As repercussões da primeira quinzena de janeiro

Tragédias à parte, tudo que aconteceu após as duas primeiras semanas de janeiro, são fatos que ainda hoje têm seus impactos. De alguma forma, do maior ao menor, todos começam a ser acomodados na estrutura de poder, mas nós jornalistas, que ouvimos toda sorte de desabafos, sabemos que nem tudo chegou ao seu lugar.

E talvez seja esta sensação de desajuste, interno e externo que ainda paire no ar assombrando os primeiros meses de governo. Há insatisfações em toda parte. Nos 12 do governo, há os que amargaram oito anos na oposição, e ainda não descobriram vantagem em ser novamente governo. Nos 12 da oposição, há os que tremeram nas bases e quase aderiram, mas foram espantados pelo tom duro que ainda transparece no governo.

João Ribeiro e Kátia Abreu podem de novo, fazer a diferença

Agora, sabe-se, os aliados podem fazer de novo a diferença, como fizeram na campanha. Nos bastidores já se sabe de articulações da senadora Kátia Abreu para diminuir o fosso das diferenças entre governo e parcela da oposição. Por outro lado, João Ribeiro - que enfrentou crise interna ao se opor a qualquer acordo que implicasse em rompimento da filha Luana Ribeiro com a orientação da bancada de governo para ser presidente da Assembléia – é chamado a intermediar o diálogo entre oposição e governo.

Para sair do impasse que não deixa esta máquina pública andar, o governo ainda precisa de toda ajuda possível. Esta é a leitura que fica dos primeiros 70 dias: por melhor comandante que seja, Siqueira não consegue governar sozinho. As mudanças que a sociedade tanto espera, precisam começar a acontecer. Por incrível que pareça, isto é bom para todo mundo: situação e oposição.

Afinal, já se vão alguns dias que ele voltou aplicando remédio amargo para a doença que se abateu sobre a máquina pública. E os dias turbulentos ainda parecem não ter fim.Quando tudo isto passar, o governo poderá mostrar a que veio, e a oposição na função de árbitro, finalmente poderá cumprir seu melhor papel.