Palmas, Tocantins -

Geral


Dia Mundial da Pré-eclâmpsia

Quase 76 mil mães e 500 mil bebês morrem anualmente por causa da pré-eclâmpsia

Por conta dos números em todo o mundo, há dois anos o dia 22 de maio foi definido como o Dia Mundial da Pré-eclâmpsia, com objetivo de chamar à atenção da sociedade sobre os perigos da doença.
- Atualizada em
Divulgação

Quase 76 mil mães e 500 mil bebês no mundo perdem suas vidas por causa da pré-eclâmpsia e distúrbios hipertensivos na gestação todos os anos. A doença é a causa de 25% das mortes maternas na América Latina e afeta entre 5% a 7% das grávidas brasileiras.



Por conta dos números em todo o mundo, há dois anos o dia 22 de maio foi definido como o Dia Mundial da Pré-eclâmpsia. Com objetivo de chamar à atenção da sociedade sobre os perigos da doença, a Sociedade Brasileira de Ultrassonografia (SBUS) realiza nesta sexta-feira, 22, uma campanha, na internet, de divulgação e sensibilização dos obstetras, gestantes e população em geral. 


A iniciativa destaca os riscos da pré-eclâmpsia e a importância do seu rastreio, que é feito através da ultrassom, com Doppler das uterinas, entre 11 e 14 semanas (3° mês) de gestação.


Na programação da campanha cibernética, a sociedade promoverá uma videoconferência com o tema: Rastreio da pré-eclâmpsia: técnica e interpretação. A palestra será ministrado pelo obstetra Fabrício Costa (SP).


Conforme o presidente da Sociedade Tocantinense de Ultrassonografia, o especialista em Medicina Fetal, Fábio Ruiz de Moraes, a pré-eclâmpsia é a doença que mais mata grávidas em todo mundo. Por este motivo, segundo ele, é necessário falar da prevenção. 


“A maneira de rastrear a doença é fácil e barato, mas às vezes falta o conhecimento e a informação adequada até mesmo dos médicos. Então a ideia da campanha é levar informação para a população, a fim de que as mulheres tenham esse conhecimento”.


O médico reforça que a doença tem tratamento. “Ela é tratável, além dos métodos que são usados para reduzir seu impacto são de baixo custo e fácil acesso”.
Fábio ainda chama à atenção para o exame pré-natal, que é essencial para a detecção e o acompanhamento dos casos. “O rastreamento da pré-eclâmpsia ocorre por volta da 11ª a 13ª semana de gestação, porém muitas gestantes iniciam o pré-natal após esse período e onde entra o perigo”.

Doença



A pré-eclâmpsia ocorre quando a grávida tem pressão arterial elevada a qualquer momento, após a 20ª semana de gravidez, com desaparecimento até 12 semanas no pós-parto. Além da pressão arterial alterada, outras complicações como excesso de proteína na urina e edema devem acontecer para se ter o diagnóstico de pré-eclâmpsia.


Exames

A Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (Figo) incentiva todos os países e suas associações membros a garantir que a avaliação de risco e os testes apropriados para pré-eclâmpsia se tornem parte integrante do protocolo de avaliação de rotina do primeiro trimestre oferecido em todos os serviços de saúde materna. “O rastreio é a melhor forma, assim podemos resguardar a vida da mãe e do bebê”, pontua Fábio.

 

Notícias sobre:

pré-eclâmpsia mães bebês morrem