Palmas, Tocantins -

Geral


Hospital Yano
58 visualizações

Um terço dos condutores habilitados no país possui algum problema de visão registrado

No Tocantins, mais de 94 mil condutores têm restrições visuais na Carteira Nacional de Habilitação
- Atualizada em
Descrição: Susan Yano. Divulgação

O número de Carteiras Nacionais de Habilitação (CNHs) emitidas com indicações de condutor que possui algum tipo de restrição visual, exigindo o uso de lentes de contato ou óculos, por exemplo, aumentou 44%, entre 2014 e 2020. No Tocantins, esse aumento foi de 73%, proporcional ao número de condutores do Estado.

 

A análise foi realizada pelos oftalmologistas com base em dados oficiais do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

 

Ainda segundo o Denatran, o Tocantins possui 490.540 condutores com CNHs, sendo que 94.647 CNHs são com restrições visuais. Ou seja, 19% dos condutores.

 

Atualmente, o grupo com algum tipo de restrição de visão descrita na CNH representa quase um terço da população habilitada no Brasil. São 20,7 milhões de motoristas e motociclistas. Os dados fazem parte de um levantamento inédito divulgado pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO).

 

Avaliação

 

A inclusão dessas anotações na CNH é feita no momento do exame para fazer o documento pela primeira vez ou em sua renovação. A avaliação dos candidatos é feita pelo médico do tráfego, que analisa as condições do candidato de conduzir seu veículo sem oferecer perigo para outros motoristas, passageiros e pedestres.

 

O exame identifica a existência de uma deficiência e recomenda que o interessado busque o suporte de um oftalmologista, no caso de problemas de visão, para fazer o diagnóstico e prescrever o melhor tratamento.

 

Segundo a médica oftalmologista, Susan Yano, é necessário que o condutor faça acompanhamento oftalmológico, principalmente, porque algumas doenças como miopia, catarata, glaucoma e retinopatia diabética podem acusar um déficit visual no momento do exame.

 

“Essas doenças citadas são diagnosticadas após o exame durante a consulta. Por isso é necessário que o condutor cuide dos olhos, porque além dos prejuízos com a própria saúde, o condutor com déficit visual sem o tratamento adequado, pode trazer riscos no trânsito.”, explica a especialista Susan Yano.

 

Segurança

 

Para a CBO, a saúde ocular do motorista é fundamental também para a segurança do trânsito. Dados divulgados pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) indicam que cerca de 250 mil acidentes que ocorreram entre janeiro de 2014 e junho de 2019 resultaram de problemas na saúde dos condutores.

 

Ainda de acordo com o conselho, as dificuldades de visão estão entre essas causas mais comuns, ao lado de sono ao volante e percepção alterada pelo consumo de álcool.

 

Segundo números oficiais da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o comprometimento da saúde dos olhos foi responsável por 1.659 sinistros de trânsito em rodovias federais, em apenas três anos (2016-2019).

 

Conforme avaliam os especialistas da área, se levado em conta acidentes verificados em pistas, ruas e avenidas dos centros urbanos, certamente o número seria ainda maior.

 

Infração

 

Não portar as lentes corretivas indicadas na CNH durante a condução de veículos pode causar ainda outros problemas. O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) estabelece que, não seguir as anotações previstas na CNH é infração gravíssima, que rende multa e acúmulo de sete pontos na carteira.

 

Essas situações são observadas nas fiscalizações ou na apuração de causas de acidentes, quando policiais e agentes fazem a verificação de documentos e condições de motoristas e veículos.

 

O levantamento completo está disponível neste link.

 

*Com informações do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO).