Palmas, Tocantins -

Ação Parlamentar


Recursos

Dulce Miranda visita obras do Hospital de Augustinópolis; deputada repassou R$ 9 mi

O valor é correspondente à soma de duas parcelas, uma de R$ 8.584,494,00 e a outra de R$ 481.095,00.
- Atualizada em
Gildo Barbosa

A deputada federal Dulce Miranda, acompanhada da ex-prefeita de Augustinópolis, Carmem, do ex-prefeito Júlio Oliveira, do ex-vereador Jaldo, do vereador Fernando e, de Axixá, do vice-prefeito, Negão do Cinda e o líder do município, Chico Feitosa fizeram uma visita às obras da futura maternidade do Hospital Regional de Augustinópolis.

 

A visita foi direcionada pela diretora-geral, Leiliani Alves da Silva, que apresentou o panorama da construção que está em fase adiantada. A parlamentar fez questão e acompanhou de perto como está o desenrolar dessa estrutura, uma vez que a mesma destinou, via Governo do Tocantins, através da Secretaria Estadual da Saúde, R$ 9.065,589,00. O recursoé uma indicação de Bancada da deputada federal.

 

O valor é correspondente à soma de duas parcelas, uma de R$ 8.584,494,00 destinada à aquisição de equipamentos e mobiliários para salas cirúrgicas, de parto, pronto-socorro e clínica médica e, a outra, de R$ 481.095,00, exclusiva para o Centro de Parto Normal.

 

A diretora informou que a área é de 13 mil metros quadrados e fica anexa ao hospital. Esta ala será exclusiva para o cuidado com as mulheres grávidas, com UTI neonatal e será ainda referência de gestação de alto risco. A deputada Dulce Miranda conversou bastante com a equipe local, onde tirou dúvidas e sugeriu ideias para incrementar na nova estrutura.

 

“Estive conversando com alguns pacientes, e foram eles quem sugeriram algumas adaptações, a exemplo de enfermarias climatizadas. O hospital atende cerca de 24 municípios da região do Bico do Papagaio e até mesmo pacientes do Pará e Maranhão, portanto, o local precisa estar preparado para esse acolhimento”, observou Dulce Miranda, emendando que a “obra é muito importante para a região Norte, e irá desafogar outros hospitais, como o de Araguaína. Agora é acompanhar mais de perto ainda a fiscalização da aplicação dos repasses”, finalizou.