Palmas, Tocantins -

Cidades


Em Luzimangues
1.092 visualizações

Após vídeo com orientador culpando aluna por sofrer assédio, Seduc se posiciona

Caso ocorreu em escola estadual, localizada em Luzimangues, distrito de Porto Nacional
- Atualizada em
Descrição: Imagem ilustrativa Zezinha Carvalho

Um vídeo que circula nas redes sociais, publicado nesta semana, mostra o caso de uma adolescente de 15 anos, que teria sofrido assédio na unidade em que estuda, uma escola estadual, que fica localizada em Luzimangues, distrito de Porto Nacional.

 

O início da gravação mostra a jovem em uma sala e aos prantos ela questiona: “Eu tenho culpa de ser assediada por causa da minha roupa?”. Logo depois, ela mostra o que estava usando: blusa e calça jeans.

 

Um orientador da escola, presente no momento, responde: “Dependendo da roupa, tem”. A jovem, novamente pergunta: “É isso? A culpa do assédio é minha pela roupa que eu estou usando?”. O orientador responde: “Em certas partes, é”.

 

A discussão entre a aluna e o orientador ainda continua. O orientador diz: “Estou chamando você para conversar, você não tá gostando, imagina se eu olhar para você com segundas intenções”, diz ele no vídeo. Indignada, a jovem comenta: “Meu Deus, eu tenho 15 anos, olha minha idade e olha o que tu tá falando, cara!”.

 

Na mesma ocasião, a adolescente pergunta o diretor se ele concordava que o assédio era culpa da vítima. O diretor respondeu que não concordava. 

 

No final do vídeo, bastante emocionada, a estudante declara: “Vivemos em um país, gente, em que a mulher merece ser assediada pela roupa que ela usa, entendeu?”.

 

No Tiktok, rede social em que o vídeo foi postado, a jovem recebeu muito apoio e mensagens de conforto.

 

Seduc diz que servidor foi afastado das atividades


Questionada sobre o assunto, a Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc) informou ao T1 Notícias, na manhã desta sexta-feira, 15, que está acompanhando atentamente a denúncia feita pela estudante e que a Diretoria Regional de Educação, Juventude e Esportes (DRE) de Palmas, à qual a unidade de ensino é jurisdicionada, já afastou o servidor das atividades que tenham contato com alunos.

 

“Por orientação do Núcleo de Assuntos Disciplinares da Seduc, a unidade de ensino levará a situação ao conhecimento do Conselho Tutelar, pois se trata de uma aluna menor e acompanhará as decisões que dele forem tomadas”, explicou a Seduc em nota.

Conforme a Secretaria, a Regional encaminhará, formalmente, a demanda para o Núcleo de Assuntos Disciplinares, para que seja aberta uma Sindicância Administrativa Investigativa para a verificação aprofundada dos fatos.
 

“A Seduc se posiciona veementemente contrária a toda e qualquer situação de assédio e ressalta que os procedimentos necessários serão adotados para que a estudante seja amparada e os envolvidos, responsabilizados.  Por fim, esta gestão assegura que não tolera qualquer ato que vá de encontro ao direito das mulheres de serem respeitadas”, finalizou a pasta.

 

Confira a nota da Seduc na íntegra: 

 

NOTA SEDUC

A Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc) informa que está acompanhando atentamente a denúncia feita pela estudante e que a Diretoria Regional de Educação, Juventude e Esportes (DRE) de Palmas, à qual a unidade de ensino é jurisdicionada, já afastou o servidor das atividades que tenham contato com alunos. Por orientação do Núcleo de Assuntos Disciplinares da Seduc, a unidade de ensino levará a situação ao conhecimento do Conselho Tutelar, pois se trata de uma aluna menor e acompanhará as decisões que dele forem tomadas.

Além disso, a Regional encaminhará, formalmente, a demanda para o Núcleo de Assuntos Disciplinares para que seja aberta uma Sindicância Administrativa Investigativa para a verificação aprofundada dos fatos.

A Seduc se posiciona veementemente contrária a toda e qualquer situação de assédio e ressalta que os procedimentos necessários serão adotados para que a estudante seja amparada e os envolvidos, responsabilizados.  Por fim, esta gestão assegura que não tolera qualquer ato que vá de encontro ao direito das mulheres de serem respeitadas.