Palmas, Tocantins -

Cidades


Em Palmas
939 visualizações

Mortes de gatos por envenenamento revoltam moradores na 106 Norte; polícia é acionada

Mortes foram registradas através de pelo menos nove Boletins de Ocorrência até domingo, 20, com denúncia que gatos apareceram mortos e pedaço de carne com veneno foi encontrado. A Polícia apura o caso
- Atualizada em
Da Redação

Moradores da quadra 106 Norte, em Palmas, se uniram em busca de uma resposta e solução para as recentes mortes de gatos na região. Pelo menos nove Boletins de Ocorrência, também conhecido pela sigla B.O, foram registrados nesse sentido até domingo, 20, denunciando que dois gatos apareceram mortos nos últimos dias e que um pedaço de carne com veneno foi encontrado. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) diz que está apurando o caso.
 

Essa informação é da moradora Monique Wermuth Figueras, que vive na cidade há mais de 23 anos e afirma que nos últimos três essa mesma prática ocorreu com mais de 25 animais (20 gatos e seis cachorros). Desta vez, a situação está acontecendo exclusivamente na Alameda 15, em um ponto onde câmeras de segurança não conseguem visualizar. 
 

“Precisamos que a polícia faça uma investigação. Temos nove boletins desta atual situação, da antiga, temos três. Não descobriram nada e não se esforçaram. É necessário que isso pare”, ressaltou Monique.

 

Figueras menciona que a população de gatos na quadra é controlada, pois os moradores fazem vaquinhas para castração dos felinos. "Enquanto tem uma quantidade de moradores que faz vaquinha para poder castrar os gatos e alimentá-los, outros fazem essa ruindade”, desabafa a moradora. 
 

A moradora da 106 Norte e servidora pública, Elizangela Oliveira, também está revoltada com essa situação. Ela, que ajuda muitos gatos em situação de rua, além de criar outros, não entende porque isso vem acontecendo, já que muitos residentes da região ajudam no cuidado dos animais. Para preservar a vida de seus gatos, a servidora pública passou a tela de proteção em volta de toda sua casa.


“Aqui na quadra tem o grupo de castração, em que cada morador doa R$ 10. A gente pega os animais de rua, castra e depois solta. O Projeto SRD, Sem Raça Definida, principalmente para as fêmeas não procriarem. Tem outros cuidadores que sempre alimentam os animais aqui na minha porta. É uma situação que não acontece somente aqui na nossa quadra. Infelizmente, os animais felinos nem sempre são bem aceitos pela sociedade. O cachorro logo consegue adoção, o gato não. Achamos animais dentro de sacolas, no lixo”, expressa Elizangela.

 

Outro residente da quadra, Paulo Roberto Bezerra, que foi um dos moradores que registrou B.O., fala do número de óbitos de animais que vem crescendo no local, principalmente de gatos. “Nós acreditamos que existe uma pessoa com intuito de tirar a vida desses bichos porque ao que parece há um “modus operandi”, que é a utilização de carne com produtos químicos com a ideia de realmente matar esses bichos" afirma o morador.

 

Paulo explica que, em via de regra, as pessoas que defendem os animais costumam fazer o registro de ocorrência contra essas práticas. Quando isso ocorre, os casos diminuem, voltando tempos depois. “As mortes deixam de existir em um dado momento, mas depois que a poeira baixar, esses atos voltam a acontecer”, disse. 
 

Ela afirma que os casos do passado foram notados em várias alamedas da quadra, desta vez, ainda não há pistas de quem esteja fazendo isso.
 

Carne envenenada 

 

A carne envenenada, um pedaço de frango, estaria com uma coloração diferente, aponta Paulo. O material estaria na casa de um morador identificado como Bernardo aguardando que forças de segurança compareçam ao local para buscá-lo. 

 

Sobre o policiamento na região, a moradora Elizangela garante que viaturas passam pelo local regularmente, mas não soube dizer se há algo no sentido de encontrar o responsável por esse tipo de crime contra os animais. 
 

O T1 entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública (SSP) na manhã desta segunda-feira, 21, que respondeu que a Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), por meio da Divisão Especializada de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente e Conflitos Agrários (Demag-Palmas), informou que todos os fatos noticiados através dos Boletins de Ocorrência serão devidamente investigados em procedimento policial próprio.