Palmas, Tocantins -

Cidades


Covid-19

Novos casos de Covid-19 cresceram 112% entre crianças e jovens na Capital

A comparação da prefeitura de Palmas foi feita entre os dois primeiros meses de 2021 e os dois últimos meses de 2020, na faixa etária de zero a 19 anos
- Atualizada em
Descrição: Imagem ilustrativa. Nielcem Fernandes/Governo do Tocantins

Novos casos entre o público da faixa etária de zero a 19 anos de idade cresceram 112,8% nos dois primeiros meses deste ano, na comparação com os meses de novembro e dezembro de 2020, afirma a prefeitura de Palmas. O avanço da Covid-19 entre crianças e os mais jovens consta nos dados dos boletins epidemiológicos divulgados pela Secretaria Municipal da Saúde de Palmas (Semus).

 

No período de 1º de novembro a 31 de dezembro de 2020, os boletins epidemiológicos apontam que o número de novos casos confirmados para Covid-19 somou 388 crianças e jovens de zero a 19 anos de idade. Já no período de 1º de janeiro a 1º de março de 2021, esse número saltou para 826, um crescimento de 112,8% no registro de novos casos.

 

Recortes

 

Quando feito o recorte de zero a 10 anos e de 11 a 19 anos de idade, observa-se que o percentual de crescimento de novos casos é muito semelhante nas duas faixas etárias, na comparação do mesmo intervalo de tempo em 2020 e 2021.

 

Na faixa etária de zero a 10 anos, o número de novos contaminados pelo novo coronavírus foi de 133 crianças no intervalo de 1º de novembro a 31 de dezembro de 2020. Já entre 1º de janeiro e 1º de março de 2021, esse número saltou para 283, ou seja, crescimento de 112,8%. 

 

Na faixa etária de 11 a 19 anos, foram 255 casos a mais registrados no intervalo de 1º de novembro a 31 de dezembro de 2020. Entre 1º de janeiro e 1º de março de 2021, houve um salto de 112,9%, para 543 novos jovens contaminados.

 

Números totais

 

A Covid-19 avançou mais no público infantil e jovem até 19 anos do que no total geral de novos infectados em Palmas. Nos dois últimos meses de 2020, os informativos registraram 3.751 casos novos da doença na Capital. No mesmo intervalo de dois meses, no início de 2021, o número saltou para 6.951, crescimento de 85,3%, abaixo do percentual de 112,8% verificado na faixa etária de zero a 19 anos de idade.