Palmas, Tocantins -

Estado


Operação "Exprobo"
1.299 visualizações

PF cumpre 18 mandados contra grupo suspeito de fraudar licitações em cidades do TO

Os mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em Palmas, Lagoa do Tocantins, Santa Maria do Tocantins, Augustinópolis, São Miguel do Tocantins e Imperatriz no Maranhão.
- Atualizada em
Descrição: Operação “Exprobo” foi deflagrada nesta quarta-feira, 25. Divulgação/Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (25) a Operação “Exprobo” com o objetivo de desarticular um grupo criminoso responsável por realizar fraudes em
procedimentos licitatórios, atos de corrupção e desvio de recursos públicos no Tocantins.


Aproximadamente 50 policiais federais cumprem 18 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1º Região, nos municípios de Palmas, Lagoa do Tocantins, Santa Maria do Tocantins, Augustinópolis, São Miguel do Tocantins e Imperatriz no Maranhão.


As investigações apuram a atuação de um grupo criminoso responsável por realizar fraudes licitatórias e desvio de recursos públicos em contratos envolvendo recursos do Fundo Municipal de Saúde e do Fundo Municipal de Educação repassados à municípios do Estado, nos anos de 2017 a 2019. Identificou-se, ainda, a possível participação de agentes públicos dos municípios nos fatos em apuração, que teriam favorecido as empresas investigadas nas licitações, em troca de valores depositados em contas destes.


Com as ações de hoje, a Polícia Federal busca robustecer o conjunto probatório existente, com a obtenção de novas provas, fazer cessar a continuidade das ações criminosas, delimitar a conduta dos investigados, bem como identificar e recuperar ativos frutos dos desvios realizados.


Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de fraude à licitação, peculato, corrupção ativa, corrupção passiva e associação criminosa.

 

A palavra “exprobo” é derivada do latim “exprobare” que significa repreender, não concordar, fazendo referência aos atos ilícitos praticados pelos investigados.

 

A Polícia Federal ressalta que, em razão da situação de pandemia atual, foi planejada uma logística especial de prevenção ao contágio pelo Covid-19, com distribuição de EPIs a todos os envolvidos na operação, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas, investigados e seus familiares.