Palmas, Tocantins -

Minha Opinião

Roberta Tum

Roberta Tum

roberta.tum.9 @robertatum

Colunista do Editorial Minha Opinião


Opinião
1.149 visualizações

A urgência de medidas que ainda não foram tomadas para conter o Coronavírus

Cestas básicas para acudir a fome da população sem renda fixa, fechamento das fronteiras do TO, choque de realidade nos prefeitos do interior... veja as medidas que ainda falta para combater o corona
- Atualizada em
Reprodução

No meu quarto dia de isolamento social voluntário, o celular não para. 

 

São servidores públicos reclamando de ter que trabalhar, sem nada para fazer, em repartições públicas onde o cidadão não vai mais, aglomerados.

 

Chega comunicado de que falta luvas, falta álcool gel, faltam produtos de limpezas em unidades hospitalares.

 

E gente com sintomas de contaminação continuam indo para as UPAS, onde existem pacientes frágeis com outras sintomatologias, correndo o risco de alastrar na capital a contaminação comunitária.

 

O vírus está no ar. Basta conferir os últimos números de suspeitos notificados pela Cidade de Palmas. E a multiplicação do número de cidades no interior onde começam a ser notificados suspeitos.

 

Com dois casos confirmados no Estado, os dois são de pacientes que buscaram a rede privada. Lá onde existiam os testes. O laboratório Sabin, que fez os primeiros, já não faz mais. Os kits acabaram e o Estado ainda espera os 250 da rede pública chegarem.

 

O fato é que convivemos com um ambiente de subnotificação de casos em Palmas. Se não há testes para todos no grupo de riscos e se não tem como testar todos os que estão com sintomas, estamos à beira de uma explosão nos próximos 15 dias.

 

É um abril sombrio o que nos espera.

 

E o que ainda precisa ser feito e não foi?

 

Criar uma nova dinâmica para funcionamento dos órgãos públicos. Quem não é necessário deve ficar em casa.

 

Os serviços essenciais podem ser operados por servidores em caso de isolamento.

 

Para combater as fake News a Sesau precisa mostrar os estoques de máscaras, luvas e produtos de higiene e segurança que estão ofertando ao pessoal da Saúde.

 

Mães, gestantes às vésperas de parto, precisam de ambiente de segurança hospitalar reforçado no Dona Regina.

 

E a fome, que começa a chegar para crianças sem aula e famílias sem trabalhar?

 

Outra frente que precisa ser urgentemente combatida é a da fome.

 

Ambulantes vivem do que ganham. Crianças em casa há mais de uma semana. Na zona rural e nos bairros de população socialmente frágil, passa da hora do Município “acudir”, quem já está em necessidade extrema.

 

É preciso adquirir cestas básicas com urgência e usar os cadastros de ambulantes, assim como criar polos de distribuição de cestas básicas nas escolas, para as famílias de estudantes.

 

E a população de rua, significativa em Palmas? É necessário que o poder público recolha essas pessoas e abrigue até a tempestade passar. Use os recursos do restaurante comunitário e forneça sopão, alimentação básica para essas pessoas.

 

Enfim, urgem medidas.

 

Mas o que mais preocupa é a morosidade dos prefeitos no interior. Essa idéia, equivocada de que o vírus não vai chegar lá. Já está chegando. Em muitos locais já chegou.

 

É preciso usar a inteligência, desenvolver estratégias, pensar novas saídas todos os dias.

 

O governo do Estado e a prefeitura de Palmas foram ágeis, mas falta muito ainda para controlar a situação. E a população precisa ajudar.

 

Fiquem em casa. E cobrem os governantes da sua cidade nas redes sociais e no Whatsapp.

 

Por aqui seguimos firmes e vigilantes. Cobrando, sugerindo e vigiantes.