Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia

Ver comentários
Operação Luz da Infância
1.598 visualizações

Médico é preso em Peixes por armazenar pornografia infantil

A pena para quem armazena material de pornografia infantil é de 1 a 4 anos de prisão além do pagamento de multa.
- Atualizada em
Divulgação/ Polícia Civil

Um médico da cidade de Peixe, identificado pelas iniciais G.N.Z, foi preso pela Polícia Civil na manhã desta quarta-feira, 19, suspeito de armazenar pornografia infantil. O médico começou a ser investigado pela Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Cibernéticos de Palmas (DRCC) após baixar uma grande quantidade de arquivos de pornografia infantil no computador. Veja como foi a ação da polícia aqui.

 

De acordo com a delegada da Delegacia Especializada na Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), Cinthia Paula de Lima, a ação faz parte da Operação Nacional Luz da Infância que apura, nos 24 estados brasileiros e no Distrito Federal, crimes de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes praticados na internet. 

 

Sobre este caso, a delegada informou que o médico estava sendo investigado há aproximadamente três meses. “Os peritos identificaram no computador pessoal dele grande quantidade de materiais e arquivos sendo baixados com conteúdo de pedofilia, sendo caracterizado o flagrante. Após a conclusão do mandado de busca e apreensão ele será autuado na Delegacia de Peixe” disse. 

 

O analista em Tecnologia da informação, Francyvaldo Nunes Silva, que participou da operação, destacou que existem meios para se analisar de forma segura e exata esse tipo de compartilhamento em meio digital. “Quando se observa o repasse de conteúdos pela internet, os autores sãos identificados e seguem os trâmites normais para conclusão da investigação”. 

 

O perito criminal Tiago Magalhães destacou que “forças policiais de todo o planeta tem se unido para catalogar todo tipo de material envolvendo pornografia infanto-juvenil e o cenário desse flagrante condiz com esses valores que são catalogados”.

 

O médico não resistiu à prisão, foi atuado em flagrante. A pena para quem armazena material de pornografia infantil é de 1 a 4 anos de prisão além do pagamento de multa. Para quem compartilha, a pena é de 3 a 6 anos de prisão. A punição aumenta para 4 a 8 anos de prisão para quem produz esse tipo de material.

 

Operação Luz da Infância 

 

Na primeira edição da Operação Luz na Infância, realizada em 20 de outubro de 2017, foram cumpridos 157 mandados de busca e apreensão de computadores e arquivos digitais. Durante a apreensão desses materiais nos 24 Estados e DF, foram identicadas e presas 112 pessoas que utilizavam esses equipamentos para produzir, guardar ou compartilhar conteúdos de pedolia na internet. A Operação já está na sua quarta fase.