Palmas, Tocantins -
No Tocantins

Dia da Consciência Negra passa em branco na Câmara Municipal e Assembleia Legislativa

O Dia da Consciência Negra é comemorado nesta quarta-feira, 20 de novembro. O Tocantins é um estado que, conforme dados do IBGE, possui mais de 70% da população negra.
- Atualizada em
Reprodução

Tocantins possui uma população negra expressiva, passando dos 50%, como apontam os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em pesquisas recentes. No entanto, o Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, não foi lembrado pela Câmara de Vereadores de Palmas nem pela Assembleia Legislativa. Pelo visto, os parlamentares não deram importância à data e não programaram nenhuma audiência pública para debater sobre o assunto. 

 

A assessoria do presidente do Legislativo palmense, Marilon Barbosa (PSB), não soube dar explicações sobre a não realização de audiência pública. Na Assembleia, da mesma forma. 

 

Negros no Tocantins

 

Dados divulgados pelo IBGE revelam que pessoas de pele preta e parda sofrem mais com o desemprego e, quando estão empregadas, trabalham em atividades de menor qualificação e em piores condições. 

 

No Tocantins, segundo a instituição, 78% dos entrevistados desempregados, em 2017, eram de pessoas negras e pardas, e o rendimento da população branca no Estado é 57% maior do que da população negra e parda.

 

De acordo com dados do Atlas da Violência 2019, divulgado no final do primeiro semestre, o Tocantins foi um dos 6 estados com redução superior a 10% de feminicídio, porém, o que chama atenção nestes casos é a quantidade de mulheres negras assassinadas. Em todo o país, 66% das vítimas do sexo feminino vítima de violência letal eram negras. Especificamente no Tocantins, das 38 mulheres mortas em 2017, 30 eram negras. 

 

Dados divulgados pelo IBGE na última semana revelam que pessoas de pele preta e parda sofrem mais com o desemprego e, quando estão empregadas, trabalham em atividades de menor qualificação e em piores condições. No Tocantins, segundo a instituição, 78% dos entrevistados desempregados são pessoas negras e pardas, e o rendimento da população branca no Estado é 57% maior do que da população negra e parda.

 

Essa constatação em números é reflexo da luta das mulheres negras na qualificação dos casos de homicídio por gênero, classe e cor, entre outros critérios. “Isso foi importante para termos noção da dimensão da violência contra mulheres”, destaca a gerente de Promoção da Igualdade Racial, Cleane Gomes, da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju). Ela sustenta que os homens ainda não estão preparados para a atuação das mulheres que conquistaram espaço ao longo da década e acabam reagindo com o acirramento da violência.

 

Conscientização

 

A Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), no entanto, não deixou a data passar em branco e programou a Semana da Consciência Negra, com ações de conscientização sobre racismo e inserção dos negros na sociedade.

 

Nesta manhã de quarta-feira, 20,  servidores da Gerência de Promoção da Igualdade Racial distribuíram panfletos para motoristas e pedestres na Avenida JK e no Instituto Federal do Tocantins (IFTO), em Palmas, com o objetivo de esclarecer que o racismo é um crime definido em lei e que deve ser denunciado.

 

“Ações como essa têm o intuito de tornar visível a questão do racismo no Brasil e sensibilizar a população sobre esse crime, que está previsto no Código Penal Brasileiro”, reforça a gerente de Promoção da Igualdade Racial.

 

A programação da Semana da Consciência Negra segue com mais ações de panfletagem em vários pontos da Capital. E durante a manhã desta quarta-feira, 20, na sede da Seciju, ocorreu uma palestra sobre racismo institucional para os servidores da pasta.