Palmas, Tocantins -

Política


Bancada tocantinense
292 visualizações

Na véspera do leilão da BR-153, bancada ainda não tem resposta sobre cancelamento

 O leilão da concessão pública do Sistema Rodoviário Aliança (TO) – Anápolis (GO) ocorre dia 29 de abril, em São Paulo
- Atualizada em
Assessoria DNIT/Divulgação

Até o final da manhã desta segunda-feira, 26, a bancada tocantinense no Congresso Federal não havia recebido um retorno referente às demandas da mesma no leilão da duplicação da BR-153, que acontecerá nesta quinta-feira, 29. A bancada protocolou um requerimento no Tribunal de Contas da União (TCU) pedindo o cancelamento da licitação.


Conforme a assessoria do deputado federal Tiago Dimas (SD), líder do grupo, a expectativa é que saia uma decisão antes da arrematação. Entre as justificativas que mais alegadas, está o prazo de mais de 20 anos para entrega das obras nos trechos que cortam o Tocantins.

 

O ministro do TCU, Vital do Rêgo Filho, tinha dado até semana passada para apresentar uma resposta, o que não ocorreu. O Ministério da Infraestrutura, responsável pelo leilão, também não se manifestou.

 

Assinam o pedido os senadores Irajá e Kátia Abreu e os deputados Dulce Miranda, Dorinha Seabra, Célio Moura, Eli Borges, Vicentinho Júnior, Osires Damaso e o próprio Dimas.

 

Cancelamento

 

Além do parlamentares, o governador Mauro Carlesse (PSL) solicitou uma audiência com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, para tratar sobre o processo de concessão da BR-153 e o início das operações do pátio multimodal da Ferrovia Norte-Sul em Gurupi. Assim como a bancada federal no Congresso, Carlesse quer que o Tocantins receba o mesmo tratamento que o Estado de Goiás quanto às benfeitorias previstas na concessão.

 

“Entendemos que o processo de concessão da BR-153 é um ganho para o Tocantins devido às benfeitorias que virão, no entanto, queremos o mesmo tratamento de Goiás. Não pode haver tratamentos diferentes no que diz respeito à duplicação da rodovia. O edital prevê que Goiás receba a duplicação nos primeiros dez anos, e no Tocantins só depois de 20 anos. Sendo que aqui já pagaremos pedágio desde o início da concessão. Isso não é justo com nosso Estado", argumentou.

 

 O leilão da concessão pública do Sistema Rodoviário Aliança (TO) – Anápolis (GO) ocorre nesta quinta, 29 de abril, em São Paulo.