Palmas, Tocantins -

Meio Ambiente


Nacional
462 visualizações

Com mais de cinco mil focos de incêndio, Estado ocupa terceiro lugar no ranking

De acordo com o Major da Defesa Civil, Carlos Eduardo Sousa Farias, um monitoramento é realizado para verificar o porquê os focos de incêndio aumentaram.
- Atualizada em

O Tocantins ocupa o terceiro lugar do ranking nacional de focos de queimadas. Os dados são da Defesa Civil do Estado e apontam que só neste primeiro semestre foram registrados pelo INPE- Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais 5.047 focos de incêndio. O número é bem maior do que o registrado no mesmo período do ano passado, quando os focos chegaram a 3.095.

 

De acordo com o Major da Defesa Civil, Carlos Eduardo Sousa Farias, um monitoramento é realizado para verificar o porquê os focos aumentaram. “Estamos realizando este levantamento que acredito que deve ficar pronto no mês que vem. Enquanto isto estamos realizando ações para minimizar estes danos, como formação de brigadistas”, informou.

 

Segundo o Major, o município com maior registro de focos neste primeiro semestre foi Lagoa da Confusão. “A cidade ficou com 390 focos, em segundo lugar está Mateiros, em terceiro Goiatins, Palmas ocupa a 66º posição”, destacou.

 

Solução

Questionado se a solução para minimizar os efeitos seria a contratação de mais brigadistas o Major foi enfático ao afirmar que isto ajudaria, mas não resolveria o problema. “Precisamos primeiro ver as causas deste aumento, contratar mais brigadistas ajudaria porque teria mais pessoas trabalhando nos principais pontos, mas não resolveria o problema. Só para se ter uma ideia hoje trabalham no combate a estes focos o Naturatins, Cipama, Defesa Civil e Ibama. Aproximadamente 300 pessoas tem trabalhado para minimizar os efeitos”, destacou.

 

Alerta

O Major finalizou alertando a população a tomar cuidados para evitar incêndio. “Principalmente neste tempo seco aumenta o risco de incêndio, por isso recomendo a população para não fazer fogueiras, nem colocar fogo em galhos secos, lotes baldios ou jogar pontas de cigarros fora dos veículos”, finalizou.