Palmas, Tocantins -

Meio Ambiente


De olho
810 visualizações

Com objetivo de preservar nascentes, córrego Susuapara passa por monitoramento

A Secretaria de Meio Ambiente vai realizar neste mês o monitoramento e proteção das matas ciliares do córrego Susuapara. Segundo a diretora de Meio Ambiente, Sandra Sonoda, devem ser realizados o replantio das mudas que morrem em conseqüência das que
- Atualizada em

O córrego Susuapara é considerado o principal corpo d\'água de Palmas porque as suas nascentes percorrem vários trechos da área urbana da cidade.  A Secretaria de Meio Ambiente e Serviços Públicos é responsável por promover ações para recuperar as áreas próximas ao córrego.

De acordo com a diretora de Meio Ambiente, Sandra Sonoda, neste ano, estão previstos somente o monitoramento da área e a proteção das matas ciliares. “O que estaremos realizando neste mês de agosto será o monitoramento da área, através do replantio da mudas que morrem em conseqüência das queimadas e também a adubagem do local melhorando a qualidade do solo e evitando assim o crescimento do capim andropogon, que na época da seca é mais propício ao fogo”, informou.

Sandra explicou também que através do Projeto Palmas Verde realizado ano passado em convênio com o Ministério do Meio Ambiente, foi possível recuperar várias áreas devastadas. “Realizamos o plantio de 30 mil mudas de plantas nativas e com isso foi possível recuperar o corpo hídrico principalmente os locais mais comprometidos em razão do desmatamento, queimadas, crescimento urbano e extrativismo”, ressaltou.

Cuidado com o córrego

Ainda segundo a diretora, é necessário que a população se conscientize da necessidade do cuidado com o córrego. “É preciso que a população não jogue entulho protegendo a nascente e as matas ciliares. O Susuapara é importante não somente porque melhora o microclima de Palmas, mas também  porque  diminui a poluição da cidade”, finalizou.

Córrego

O Córrego Sussuapara possui 5.945 metros de extensão e tem sua nascente na área verde da 206 Norte, próximo a avenida NS-06 e deságua no lago formado pela Usina Luís Eduardo Magalhães. Sua micro-bacia é formada por um conjunto de nascentes e percorre vários trechos da área urbana de Palmas, margeado por uma vegetação que constitui a mata ciliar.