Palmas, Tocantins -

Meio Ambiente


UFT
1.142 visualizações

Conferência de Meio Ambiente fomenta elaboração de Plano de Resíduos Sólidos

Um dos principais problemas enfrentados pela sociedade moderna, o destino correto ao lixo produzido pela população tem sido constante tema de debates em diversos setores dentro das comunidades.
- Atualizada em
Descrição: Veículos serão usados no combate a incêndios ATN

Está sendo realizada durante toda esta quinta-feira, 6, no auditório da Universidade Federal do Tocantins(UFT), a quarta etapa da Conferência Regional de Resíduos Sólidos. O evento é uma iniciativa do Governo do Estado em parceria com prefeituras e entidades ligadas ao setor. Na ocasião, o secretário de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Alan Barbiero, entregou ao Naturatins as chaves de três caminhões modelo Marruá, que atuarão no combate a queimadas em reservas de conservação no Estado.

Um dos principais problemas enfrentados pela sociedade moderna, o destino correto ao lixo produzido pela população tem sido constante tema de debates em diversos setores dentro das comunidades.

No Tocantins, nas nove Conferências Regionais, organizadas em municípios-polo, delegados estão sendo eleitos e diretrizes apontadas para sanar a grave proliferação de lixões. Normativa do Plano Nacional dos Resíduos Sólidos, todos os estados e municípios devem ter, até agosto de 2014, planos municipais para resíduos sólidos e seus aterros sanitários dentro das normas legais e ambientais.

Orientação

De acordo com o secretário estadual do Meio Ambiente, a Semades irá trabalhar como uma orientadora para que os municípios consigam subsídios para instalarem e manterem os aterros dentro do prazo estipulado pela Legislação. “O problema dos lixões é nacional. O Tocantins caminha bem e já temos 70 municípios com planos municipais de resíduos sólidos. Estamos recolhendo subsídios para elaborarmos o nosso Plano Estadual. Acredito que até a metade do ano que vem já estaremos com os planos estruturados. Desta forma, seremos consultores que buscam informação para dar o suporte necessário aos nossos municípios”, completou.

A tarefa, no entanto, não é fácil, como o próprio gestor salientou. Durante discurso na abertura do evento, Barbiero frisou que não é barato construir e manter aterros sanitários dentro das normativas federais estabelecidas pelo Plano Nacional de Resíduos Sólidos.

Contudo, Prefeituras têm demonstrado criatividade para superar o obstáculo econômico imposto, conforme o prefeito de Rio Sono, Roberto Guimarães. “Estamos buscando recurso para a elaboração do nosso Plano. Vejo pela realidade de muitos municípios tocantinenses que vão enfrentar dificuldades para manter os aterros. Por isso devemos buscar parceria com municípios vizinhos e nos associarmos para a construção das estruturas”, pontuou.

A prefeita de Miracema, Magda Borba, destacou que, além das normativas legais, a estruturação dos aterros é um dever de cidadão. Para ela, é importante que os municípios se desenvolvam economicamente sem esquecer do maior bem, que são os recursos naturais. “Estamos iniciando os estudos para estabelecermos o nosso plano, com os nossos técnicos, sob orientação dos técnicos da Secretaria do Meio Ambiente”, frisou.

 Palmas

 Depois de passar por um desastre no ano passado, o aterro sanitário da Capital, o maior do Tocantins, está estruturado e dentro das normativas apontadas por Lei, conforme o secretário executivo de Infraestrutura e Serviços Públicos do Município, Luciano de Carvalho. De acordo com o secretário, o grande incêndio que assolou o aterro da capital não chegou a levar grandes prejuízos à base estrutural e nem ao ambiente no local. “Já foi tudo recuperado sem contaminação. O prejuízo foi só pelo fogo mesmo. Palmas hoje é uma das cinco capitais do Brasil que tem um aterro sanitário dentro das normas legais e ambientais. O nosso aterro, em termos de deposição, é um dos mais modernos do país”, completou.