Palmas, Tocantins -

Minha Opinião

Roberta Tum

Roberta Tum

roberta.tum.9 @robertatum

Colunista do Editorial Minha Opinião


Análise
514 visualizações

Em tempos de crise, MPF precisa socorrer prefeitos que tomam medidas corretas

Prefeitos que tomaram medidas duras, porém alinhadas com recomendações de especialistas na Saúde e a OMS devem ser respaldados por decisões judiciais. Cabe à Justiça Federal este papel
- Atualizada em
Reprodução

A dificuldade de prefeitos em controlar a saga do comércio por reabrir portas, sob o argumento de salvar os empregos provoca nesta segunda-feira, 30, que milhares de pessoas voltem a circular, quebrando o isolamento social horizontal. Aquele que atinge a todos, independente de grupo de risco.

 

A morte de jovens aparentemente saudáveis, no Brasil e no exterior, a morte de bebês, e de pessoas de diferentes idades, sem notícia de comorbidades anteriores, mostra que a reação do Coronavírus, que provoca a doença chamada de Covid-19, ainda é incerta. Não dá mais para afirmar que só idosos morrerão, e portanto devem ser isolados, permitindo que os demais circulem.

 

Ninguém está imune a adoecer, vítima desta pandemia.

 

Dito isso, é óbvio que as pressões crescem. Prefeitos, acuados muitas vezes pelos empresários que bancam campanhas eleitorais, tremem. E recuam. 

 

O governo do Estado por outro lado não entrou na briga para fechar empresas. É uma decisão estratégica, que deixa por conta dos prefeitos o desgaste. É disto que muitos reclamam no silêncio do Off.

 

Empresários têm todo direito de tentar salvar a rentabilidade dos seus negócios. Comerciantes pela mesma forma. A questão aí é que são dois direitos que se sobrepõem: o direito à vida e o direito ao trabalho, o de ir e vir.

 

A Saúde Pública, acredito, é o que deve prevalecer. A tutela dos direitos constitucionais difusos é do Ministério Público. A meu ver, longe de pressões, estão os procuradores federais. Mais que os promotores, já muitos deles que infelizmente pensam como o presidente da República. Ademais, a Justiça Federal pode pacificar esta questão. Em tempos sombrios, em que a sociedade poderá se amparar?

 

Disse muito sabiamente em seu Twitter nesta segunda-feira, 30, o governador do Maranhão, Flávio Dino, que há duas doenças graves colocando em risco hoje os brasileiros: o coronavírus e o bolsonarismo cego.

 

Os procuradores precisam agir. Está na hora.