Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia

Ver comentários
Flagrante
1.032 visualizações

Dois homens são presos por suposta circulação de dinheiro falso em Palmas

Prisões em flagrante foram realizadas na última sexta-feira, 18, na Capital. Presos estão a disposição da Justiça
- Atualizada em
Da Web

Dois homens foram presos em flagrante pela Polícia Federal (PF) pelo crime de circulação de moeda falsa. O primeiro foi autuado quando retirava em uma agência dos Correios da Capital, um envelope contendo R$ 500,00 em cédulas falsas, que teriam sido compradas pela internet. O segundo foi preso na Estação Apinajé, repassando dinheiro falso para os comerciantes que atuam no local e portando uma porção de droga que seria maconha.

 

Segundo a Polícia Federal, na primeira prisão, um homem estava fazendo retirada de encomenda contendo cédulas falsas em unidade dos Correios em Palmas, e foi flagrado por uma equipe de policiais federais, assim que retirou um envelope contendo R$ 500,00 reais em cédulas falsas. Ainda segundo a polícia, o homem contava com o auxílio de dois menores de idade, tendo, posteriormente, confessado que adquiriu as cédulas falsas pela internet.

 

Já na Estação Apinajé, a polícia prendeu em flagrante um homem que estava repassando cédulas falsas a comerciantes próximos ao local. O indivíduo foi flagrado por equipe da Guarda Metropolitana de Palmas na posse de cédulas falsas e uma porção de droga aparentando ser maconha, e foi encaminhado à sede da Polícia Federal em Palmas.

 

Após o exame de corpo de delito cautelar, os dois homens foram recolhidos na Casa de Prisão Provisória de Palmas e encontram-se à disposição da Justiça.

 

Operação Monster

 

Em setembro deste ano, a Polícia Federal deflagrou a Operação Monster, visando desarticular grupo criminoso responsável por colocar em circulação moeda falsa mediante uso de mídias sociais. Foram cumpridos três mandados judiciais de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva, expedidos pela 4ª Vara Federal de Palmas, todos na cidade de Palmas.

 

A investigação teve início após prisões em flagrante de pessoas envolvidas com repasse de moeda falsa na capital em setembro de 2018. Segundo as diligências efetuadas em decorrência dos flagrantes, observou-se que o grupo criminoso comercializava as cédulas falsas em grupos de mídias sociais. As encomendas do dinheiro falso eram postadas no grupo e, após o envio do comprovante de pagamento, os criminosos postavam as cédulas junto aos Correios.

Notícias sobre:

#dinheirofalso #policiafederal