Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia


Feminicídio
646 visualizações

Homem é preso em Araguaína após confessar à Polícia Civil que matou a esposa

Crime foi praticado no último sábado, 17. Homem se entregou à polícia afirmando que não estava conseguindo conviver com o sentimento de culpa pelo crime que praticou
- Atualizada em
Descrição: A polícia encontrou a vítima sem vida no povoado Brejão, zona rural de Araguaína Araguaína Notícias

A Polícia Civil prendeu na segunda-feira, 19, um homem de 33 anos, acusado de matar a esposa no último sábado, 17, no povoado Brejão, na zona rural de Araguaína. Ele confessou as agressões contra a companheira e se entregou à polícia ontem, 19, declarando que não estava conseguindo conviver com o sentimento de culpa pelo crime. A vítima era Shirly Rodrigues Segurado.

 

De acordo com a Polícia Militar, a irmã do suspeito relatou que encontrou a vítima em casa com sinais de espancamento, corte na testa e hematomas nos olhos. O suspeito fugiu. 

 

Ao chegar no local, a PM encontrou Shirly sem vida. A polícia não conseguiu encontrar o suspeito no dia do crime.

 

O acusado foi preso apenas na segunda-feira, após ligar para a Polícia Civil e confessar o feminicídio. Ele relatou que havia discutido com a companheira e a agrediu, e que o fato ocorreu outras vezes. 

 

O acusado foi encaminhado para a Casa de Prisão Provisória de Araguaína.

 

O caso de Shirly soou um alerta dentro da 2ª Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (2ª DHPP). Segundo o delegado-chefe da unidade, Guilherme Torres Coutinho, o feminicídio contra ela foi o terceiro deste ano, tendo como característica comum o fato de que nenhuma das vítimas, mesmo possuindo histórico de violência doméstica, jamais ter registrado boletim de ocorrência sobre as agressões sofridas.

 

Denúncias

 

A delegada regional da Polícia Civil em Araguaína, Ana Maria Varjal, afirma que para evitar ser alvo de reiteradas formas de violência doméstica e de feminicídio é preciso que a mulher denuncie o agressor. Segundo Ana, a denúncia “é essencial para que a Polícia Civil possa agir”.

 

Além dos canais já existentes e em razão dos três feminicídios já registrados neste ano em Araguaína contra um em todo o ano passado, a Delegacia Regional da Polícia Civil destinou para a 3ª Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (3ª DEAM) um número de whatsapp (63) 3411-7310 para facilitar o recebimento de denúncias.

 

Para efetivar a denúncia, tem que ser informado o nome da vítima e o endereço para que a equipe da Polícia Civil entre em contato.